NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 2 de abril de 2020

 

Um morador de Juatuba, na região metropolitana de Belo Horizonte, encontrou na manhã desta sexta-feira (14) o corpinho do menino Eduardo Ferreira de Oliveira.

O corpo do garotinho Dudu, de 2 anos, foi encontrado em uma lagoa de Juatuba. O morador viu o corpo boiando e acionou os bombeiros, que já retiraram e confirmaram que trata-se de Dudu. Perícia da Polícia Civil vai apontar se há algum sinal de violência no corpo.

A lagoa onde o corpo foi encontrado fica a cerca de 50 metros da casa da família. Buscas já tinham sido feitas no local, inclusive por mergulhadores dos bombeiros . A água é turva, condição que dificulta a visualização.

Buscas

Desde o desaparecimento, na última quarta-feira (12), uma força-tarefa, formada por bombeiros, policiais e moradores, iniciou um trabalho ininterrupto de busca, mas sem sucesso.

Eduardo estava em casa, no bairro Vila Maria Regina, com duas irmãs de 14 e 16 anos. Dudu brincava com seu cachorrinho no quintal de casa na manhã do desaparecimento, quando passou pela porta entreaberta que separa a residência da rua e não mais foi visto. O imóvel fica em uma região de sítios cercada por matas e com quatro lagoas, duas próximas à casa da família.

Ao lado dos militares do Corpo de Bombeiros, moradores da região participaram das buscas pelo menino nas áreas próximas à casa: mata, lagoas e caminho até um ponto de ônibus – onde ele poderia ter ido. Além das buscas por terra, mergulhadores procuraram, nessa quinta-feira (13), pelo garotinho nas lagoas que existem nas imediações.

Foto: Arquivo pessoal

 

Como aconteceu

Minutos separam a imagem contente de Eduardo brincando com sua cachorrinha do retrato do quintal sem o menino e o portão entreaberto. Ainda na manhã de quarta-feira, Claudia saiu para o trabalho e, sem poder deixar o menino com a sogra, que precisou ir ao médico, o deixou com a irmã de 16 anos.

A adolescente, então, levou a criança consigo até um laboratório para exames e retornou para casa pouco tempo depois. “Ela chegou, deixou ele lá dentro de casa e ele abriu a porta da cozinha e veio brincar aqui no quintal. Ele tem esse costume de brincar aqui na frente, na grama, ele e o cachorrinho. Não demorou uns minutos, ela olhou e não deu conta dele”, conta a mãe dos dois.

Como contou Cláudia, a casa é rodeada por cercas e o portão que a separa da rua permanece preso por um arame. Ela não sabe como Eduardo conseguiu abrir o portão. “Ele sempre brinca de pedrinha aqui na grama, juntava aqui. Nós amarramos o portão. Minha menina amarrou forte (nessa quarta-feira), eu não sei como ele conseguiu abrir”.

Ao perceber o desaparecimento do irmão, a adolescente ligou para os bombeiros e para a Polícia Militar. Alguns minutos depois, a mãe chegou do serviço. “Eu já estava vindo do trabalho, não sabia o que estava acontecendo. Minha menina começou a gritar por mim, eu me desesperei. Nem entrei em casa, já comecei a procurar”. Com o apoio dos moradores do bairro, a mãe o buscou por toda a região, principalmente em pontos onde o menino podia ter passado. “Ele costumava subir, ficava beirando a esquina que tem ali, mas ele nunca tinha sumido, de jeito nenhum”.

 

Com  O Tempo / Radio Itatiaia