NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 27 de novembro de 2020

Foto Alex de Jesus/O TEMPO

 

A Polícia Militar divulgou,  informações sobre a atuação durante as eleições municipais do Estado neste ano. Todo o efetivo da corporação, 38 mil agentes, estarão a postos para os trabalhos até o próximo domingo (15). Desses, 550 saíram da capital e região metropolitana e vão apoiar municípios do interior.

“A partir de agosto deste ano, a Polícia Militar de Minas Gerais iniciou o planejamento da operação ‘Eleições Municipais 2020’. É um planejamento integrado com as demais forças de segurança do nosso Estado. Foi trazido pelo setor de inteligência pública informações que, nos municípios menores, havia um acirramento eleitoral que em algumas localidades poderia gerar, inclusive, a violência. Hoje, de maneira inédita, nós mandamos para esses municípios equipes comandadas por tenentes prontos para assumirem o comando. São 550 militares que vão deslocar para várias cidades do Estado em 130 viaturas”, explicou o diretor operacional da corporação, coronel Alexandre Magno de Oliveira.

Tropas especializadas, como o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Batalhão de Choque e Batalhão Rotam também serão usadas. Além dos militares e viaturas, mais de 60 drones serão empenhados.

“Em torno de 550 municípios serão realizados o reforço do policiamento. Além dos militares que estão saindo de Belo Horizonte, equipes de outras 19 regiões também vão mandar apoio. Não são apenas os daqui. Os municípios menores receberão, no mínimo, dois militares qualificados: um tenente e um cadete, um tenente e um sargento. Nós apoiamos parte dos municípios e as próprias regiões que estão mais próximas vão apoiar o restante”, detalhou o militar.

Itaúna

Em Itaúna, o Major da 51 Cia Independente da Polícia Militar, Alexsandro Souza, falou sobre como será o trabalho da corporação, em apoio a Justiça Eleitoral

Sobre prisões

“A legislação eleitoral proíbe qualquer tipo de prisão que não seja em flagrante delito ou a prisão que já foi expedida pelo juiz, que pode ser executada. Esses dois tipos de prisões permanecem durante o período eleitoral. O que não ocorre neste período é a expedição de outros mandados para fazer a prisão. Nesse caso, o juiz nesse período cessa essa expedição dos mandados para evitar algum tipo de atitude que possa atrapalhar o pleito eleitoral”, frisou.

Ainda conforme o coronel, os militares são orientados a cumprir um protocolo de segurança, chamado de “procedimento operacional padrão”, em que é recomendado aos policiais que, ao fazer algum tipo de abordagem, permaneça com a mesma postura do dia a dia.

Uso de drones

Em termos de pandemia do Coronavírus, os drones também serão usados para identificar aglomerações.

“Foi até um pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no sentido das forças de segurança como um todo utilizarem os drones para identificar possíveis locais de aglomerações, além do Covid, também não podemos fazer algum tipo de aglomeração deslocando para os locais de votação. Os locais devidamente identificados pela inteligência de segurança vamos utilizar os drones para captar essas imagens visando utilizar essas imagens apresentando ao juiz eleitoral caso a recomendação do policial, no sentido daquele grupo se dispersar, não seja atendida. Essas imagens captadas pelo drone, como pela plataforma de observação elevada, vão fornecer imagens em tempo real de possíveis aglomerações. Nas eleições, com essas características, é a primeira vez que utilizamos os drones”, afirmou o militar.