NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 21 de fevereiro de 2019

Foto: Jornal o tempo/“A sirene não tocou”, diz vereador de Itatiaiuçu

Alisson Eustáquio

Santana FM

No início da tarde desta sexta (8) foi realizada no Centro Cultural de Itatiaiuçu uma coletiva com o CEO da Arcelor Mittal Sebastião Costa Filho e com o Gerente Geral de Serviços Técnicos Cláudio Reis, para explicarem a real situação da barragem empresa. Também estiveram na coletiva a defesa civil, Polícia Militar e alguns vereadores de Itatiaiuçu.

Em entrevista ao Jornalismo Santana FM o vereador de Itatiaiuçu e morador da comunidade de Pinheiros Romer Soares contou que foi um pânico para a população.

“Foi um pânico total, foi um terror, porque a gente vem acompanhando as tragédias tanto de Mariana quanto de Brumadinho. Sabemos das represas e lagoas de rejeitos em Pinheiros. Então a gente já estava apreensivo e recebe a noticia as 3h da manhã, então é pânico, todo mundo em pânico, pensando que tinha estourado a lagoa. Até agora ninguém falou o porque foi evacuado, a gente acompanhou a coletiva de imprensa, falou, falou, falou e não falou o que realmente tem com a lagoa, se tem rachadura, se elevou o nível. Então nós na verdade estamos no escuro e lá está o pânico total, todo mundo com medo, todo mundo sem informação. Para mim não teve a tragédia física, mas teve a tragédia mental. Porque imagina, como a gente vai, mesmo que daqui um mês libere, como que a gente volta para nossa casa? Como que vai voltar e dormir? Você sabendo que a qualquer hora a represa pode estourar. Então pra mim, o que tem que fazer é acabar com as lagoas de rejeitos. Não adianta mais. Eu não confio em mineração. O que eles falaram aqui, eu não confio, acabou”, disse Romer.

O vereador também informou quais os auxílios os moradores estão recebendo pela Arcelor a curto prazo.

“Lá em Pinheiros eles fizeram um escritório na praça, eles estão cadastrando o pessoal que está na área de risco, levaram 64 para hotéis em Itaúna, os outros estão voltando para casa. O auxilio que tem até agora é somente esse. Pelo o que eles falaram, pra frente terá novos auxílios, quem trabalha em casa vai estar recebendo, mas só Deus pra saber se isso é verdade, por enquanto ó retirou mesmo de casa”, conta.

Quando questionado por seu papel como vereador o que ele estaria fazendo junto com os demais vereadores, Romer explica já enviou ofícios para comissão de minas e energia. Além disse o vereador disse que a sirene não tocou.

“Em conjunto na câmara foi feito um ofício, mandaram para as minerações para fazer uma audiência publica para explicar para a população. No meu ponto de visto isso não resolve, eu não quero conversação com mineração, porque a mineração vai me mostrar papel, eu sou leigo, então não vai resolver. O que eu fiz for mandar dois ofícios para o deputado João Vitor Xavier na Assembleia Legislativa, para ele encaminhar para a comissão de minas e energia e juntamente com a comissão de meio ambiente e os fiscais da assembleia para estar fiscalizando todas as barragens de rejeitos do município dando novos laudos. A partir desses laudos, aí pode chegar perto da população e explicar o que está acontecendo. Eu não quero conversa com mineração, porque mineração é isso aí, explica, explica e não fala nada. Então o que eu tomei, minha atitude foi essa. Também acho que as mineradoras devem fazer outro plano de prevenção. Porque o plano de prevenção ele foi testado em brumadinho e não funcionou, se ele funcionasse não tinha morrido aquele tanto de gente. Sirene não funciona, a sirene não tocou”, conta.

Ainda segundo o edil, a população começou a ter algumas reuniões como treinamento em caso de rompimento da barragem, mas não tiveram nenhum exercício prático.

“Nós começamos ter um treinamento com algumas reuniões, mas em campo mesmo não teve nada, até hoje só conversa. Colocaram sirene, tem sirene pra todo lado. Essa noite não tocou a sirene, passou de casa em casa avisando, dando mais pânico e mandou tirar até os animais de casa, é idoso, é criança, é tudo. Só Deus mesmo pra dar força”, conclui.]

Polícia Militar

Em conversa com o Jornalismo Santana FM o Major da Polícia Militar de Itaúna Alexandre Oliveira que está dando apoio em Itatiaiuçu, explicou como foi realizada a operação de evacuação da comunidade de Pinheiros.

“Em um primeiro momento em que a Polícia Militar foi acionada, tendo em vista que no entendimento da empresa, entendimento também da defesa civil e com o comando da Policia Militar e bombeiro militar, se tomou a decisão da evacuação do local do pessoal de Pinheiros, nós iniciamos um planejamento com um único objetivo que era proteger as vidas que ali estavam. Então nós planejamos fazer ali uma evacuação bem tranquila, mas uma evacuação dinâmica, que não demandasse tanto tempo. Foi tranquilo devido ao nosso grau de organização. Mas foi uma evacuação sem atropelo. Lembrando que uma pessoa retirada de uma residência durante um período noturno, isso pode causar sim um desconforto, mas nada que a gente não conseguisse superar através dos nossos treinamentos e acolhimento à aquelas pessoas que foram tiradas daquele local”, explica o Major.

Alexandre ainda relata quantos policias estão empenhados na operação e quais os próximos passos.

“Desde a madrugada até agora nós já empenhamos 47 policiais militares. Eles estão trabalhando em várias frentes, ou seja, uma frente é percorrer o povoado de Pinheiros e fazer com que as pessoas que ainda estão lá se desloquem para o ônibus. Outra frente é a contenção do perímetro dessa área que estamos isolando, que é a área de risco que nós temos do povoado para que aquela região fique segura. Em um segundo momento nós vamos colocar um patrulhamento para que a gente possa preservar o patrimônio que ele está abandonado. Ou seja, a pessoa saiu de casa e deixou sua residência, para evitar atos de vandalismo e até mesmo furto, nós vamos deixar ali uma guarnição da Polícia Militar para realmente fazer essa proteção ao patrimônio”, conclui.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux