Ação tenta impedir que prefeitura mineira pague por show cancelado

1/06/2022 | Minas Gerais

O objetivo é impedir que o município pague R$ 600 mil ao sertanejo mesmo após o cancelamento – Foto reprodução 

 

 

 

Uma Ação Popular foi ajuizada nesta quarta-feira (1º) no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) com o objetivo de cancelar o contrato firmado entre a Prefeitura de Conceição do Mato Dentro, na região Central do Estado, e a empresa do cantor Gusttavo Lima. O objetivo é impedir que o município pague R$ 600 mil ao sertanejo mesmo após o cancelamento da apresentação por conta da polêmica envolvendo o cachê milionário.

 

A reportagem de O TEMPO conversou com o advogado Rafael Costa Rocha, autor da ação, que atua na cidade de Cuiabá (MT). Ele explica que uma Ação Popular pode ser ajuizada nos tribunais brasileiros por qualquer cidadão “quando é violado algum princípio constitucional ou que gere prejuízo aos cofres públicos”.

 

“Considerei desproporcional o cachê de mais de R$ 1 milhão para um artista em uma cidade que tem 17 mil habitantes. Nada contra o artista, ele pode cobrar R$ 10 milhões se quiser. O errado é a administração pública arcar com um valor desproporcional. Pedi que a Justiça suspenda o contrato que prevê que, mesmo com o cancelamento, o cantor embolse R$ 600 mil”, detalha o advogado.

 

A ação foi movida contra o prefeito Zé Fernando (MDB) e a Prefeitura da cidade, tendo como interessados o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a empresa Balada Eventos e Produções.

 

Rocha destaca ainda que uma reportagem de O TEMPO foi anexada ao processo por explicar que o valor utilizado para pagar a apresentação de Lima é proveniente da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), que é destinado às áreas de saúde e educação.

 

“Para melhor resguardar o patrimônio público e garantir que o princípio da moralidade e da eficiência do município seja resguardado, pedi ao juiz que o melhor é que o contrato seja suspenso”, finalizou o advogado.

 

A reportagem tentou contato com o prefeito da cidade, na noite desta quarta, mas até o momento, ninguém foi encontrado para comentar a ação movida na Justiça. A empresa envolvida também foi procurada, mas também não se posicionou.

 

 

Veja também