NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 20 de abril de 2021

 

 

A aeronave que caiu na na piscina de um resort às margens do Lago de Furnas, em Formiga, e deixou três pessoas com ferimentos leves na tarde deste sábado (20), está com o Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) vencido desde agosto de 2020, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Contudo, a Anac frisou que o monomotor tinha uma autorização especial de voo, emitida no dia 26 de janeiro deste ano e válida até a última segunda-feira (22).

 

Esta autorização, conforme a Anac, tem o propósito de realizar translado da aeronave para uma base de manutenção onde reparos, modificações ou serviços de manutenção que poderiam ser executados ou para uma base onde a aeronave seria armazenada.

 

Sobre o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), a agência informou que a aeronave não tinha autorização para operar como táxi-aéreo, mas não significa, necessariamente, que a aeronave estava realizando voos com fins lucrativos, segundo a Anac.

 

Investigações

De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), investigadores do Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa III), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), estiveram no local do acidente para realizar a coleta de dados da ocorrência, ainda no sábado (20).

 

Conforme a Aeronáutica, o objetivo das investigações realizadas pelo Cenipa é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. Ainda segundo a FAB, a conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo da complexidade da ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes.

 

Já a Polícia Civil informou que uma equipe da perícia técnica foi até o local, onde foram realizados levantamentos como trabalho de apoio para a investigar a causa do acidente com o monomotor. Caso a investigação do Cenipa aponte algum indício criminal, será instaurado inquérito policial para a devida apuração do crime.

 

Por G1