Aras posta vídeo antigo e defende sistema eleitoral

21/07/2022 | Brasil

A gravação é de uma entrevista concedida por Aras a jornalistas estrangeiros – Foto Divulgação PGR

 

 

O procurador-geral da República, Augusto Aras, postou nesta quinta-feira (21) um vídeo no canal que mantém no YouTube no qual defende o sistema eleitoral.

 

A gravação é de uma entrevista concedida por Aras a jornalistas da imprensa estrangeira no último dia 11 e que ainda não havia sido divulgada. O vídeo, editado, alterna partes de texto com trechos de declarações dadas pelo procurador-geral durante a entrevista.

 

Aras vinha mantendo silêncio sobre a reunião de Jair Bolsonaro com embaixadores, na segunda-feira (18), na qual o presidente repetiu acusações já desmentidas sobre o processo eleitoral brasileiro e as urnas eletrônicas.

 

Políticos de oposição e até mesmo procuradores do Ministério Público cobraram de Aras um posicionamento contra a atitude do presidente. Deputados oposicionistas acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo para Bolsonaro ser investigado — entre outras possíveis ilegalidades — por crime contra o Estado Democrático.

 

Em um texto na abertura do vídeo, Aras não menciona diretamente a reunião de Bolsonaro com embaixadores, mas fala nos “últimos acontecimentos no país”.

 

“Diante dos últimos acontecimentos no país, o procurador-geral da República, Augusto Aras, recorda a necessidade de distanciamento, independência e harmonia entre os poderes”, diz o texto.

 

No texto do vídeo, ele afirma que as instituições “existem para intermediar e conciliar os sagrados interesses do povo, reduzindo a complexidade das relações entre governantes e governados”.

 

Depois, em um trecho da entrevista, Aras ressalta a “lisura” das eleições no país.

 

“Nós aqui não aceitamos a alegação de fraude, porque nós temos visto o sucesso da urna eletrônica, ao longo dos anos, especialmente, no que toca à lisura dos pleitos”, afirmou.

 

Em outro trecho selecionado pelo procurador-geral, ele diz aos jornalistas não acreditar em um 6 de janeiro no Brasil.

 

A data é referência ao 6 de janeiro de 2021, quando eleitores do ex-presidente norte-americano Donald Trump invadiram o Congresso dos Estados Unidos numa tentativa de reverter a derrota nas eleições.

 

“Nós não acreditamos no 6 de janeiro [no Brasil]. E eu tenho defendido que, quem ganhar a eleição, vai levar, vai tomar posse”, declarou Aras.

 

Por fim, Aras afirma, no vídeo, que a democracia se fortalece quando consegue, com suas instituições, resistir às tensões inerentes ao sistema.

 

“Nós compreendemos — e temos dito isso sempre — que a democracia é o governo dos contrários, que a democracia passa por uma tensão permanente. Mas uma democracia se revela mais pujante, mais forte, na medida em que ela consegue resistir, com as suas instituições, a essa pressão contínua”, complementou o procurador-geral.

 

Manifestação de procuradores

 

Na terça-feira (19), mais de 40 procuradores que atuam na área dos direitos humanos e fundamentais do Ministério Público Federal enviaram a Aras um pedido para que Bolsonaro seja investigado pelos ataques sem fundamentos ao sistema eleitoral.

 

O documento foi assinado pelas procuradorias regionais do Direito do Cidadão dos 26 estados e do Distrito Federal, além do chefe da procuradoria federal da mesma área. Subprocuradores da República – que ocupam os principais cargos da estrutura do MPF – também emitiram nota pública.

 

No ofício, os procuradores afirmam que a conduta de Bolsonaro ao convocar embaixadores para divulgar informações falsas pode configurar crime eleitoral e abuso de poder.

 

Como chefe da PGR, Aras também é o procurador-geral eleitoral e o responsável por levar processos relacionados às eleições presidenciais ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

 

Por G1 

 

 

Veja também