NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 16 de fevereiro de 2020

Reunião foi realizada nesta segunda-feira (3) em Divinópolis – Foto: Willian Pacheco/SRE

 

A preocupação com os altos índices de infestação do Aedes aegypti na região Centro-Oeste de Minas motivou uma reunião entre representantes de 53 municípios nesta segunda-feira (3) na sede da Gerência Regional de Saúde (GRS) em Divinópolis.

Durante o encontro foram analisados os índices de infestação nos municípios, novos fluxos de monitoramento da dengue e ações de mobilização social.

O coordenador da área temática de Vigilância em Saúde, Edilberto Flávio dos Santos, explicou que cada município teve sua situação analisada detalhadamente e, em seguida, foram apontadas melhores estratégias para o enfrentamento da doença ao longo do ano de 2020. Todos os municípios devem intensificar o combate com ações de educação e mobilização social.

Índices no Centro-Oeste

Várias cidades da região apresentaram altos númenos no Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa). Conforme o Ministério da Saúde, o índice é considerado satisfatório quando fica abaixo de 1%; situação de alerta é quando está no intervalo entre 1% e 3,9%; e indica risco de surto quando é igual ou superior a 4%.

Itaúna
O primeiro Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2020 de Itaúna, apresentou resultado de 5,7%. De acordo com o Ministério da Saúde, o valor representa risco de surto.O levantamento foi realizado em todas as regiões da cidade. Ao todo, 1.762 casas foram visitadas.

Segundo a Prefeitura, os seguintes bairros apresentaram a situação mais crítica: Lourdes, Santo Antônio, Nogueira Machado, Nogueirinha, Centro, Graças, Universitário, Santanense, Aeroporto, Morada Nova I e II, Cidade Nova, Parque Jardim, Itaunense, Padre Eustáquio, Várzea da Olaria e Irmãos Auler.

LIRAa em Itaúna apresentou resultado de 5,7% — Foto: Prefeitura de Itaúna/Divulgação

 

A maior parte dos focos foi encontrada dentro das residências, como em lixos domésticos, baldes, lonas, caixas d´água, vasos de plantas (principalmente bromélias), vaso sanitário, ralinhos, pneus, tambores e quintais, dentre outros.

Divinópolis

O primeiro LIRAa de 2020 realizado em Divinópolis deixou a cidade em risco de surto, conforme dados do Ministério da Saúde. O relatório divulgado em janeiro, apresentou resultado de 8,1%. No último LIRAa de 2019, o índice foi de 2,4% e deixava a cidade em situação de alerta.

Neste primeiro levantamento, foram 4.835 imóveis visitados entre os dias 6 e 10 de janeiro. De acordo com a Prefeitura, 92% dos focos do mosquito foram encontrados em residências e 8% em lotes vagos. Os bairros que tiveram mais focos encontrados foram Niterói, Manoel Valinhas, Danilo Passos, Icaraí e o Centro Industrial.

Nova Serrana

Em Nova Serrana, o LIRAa apontou um resultado de 7,7%. Os dados foram divulgados pelo Setor de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde. O levantamento foi realizado entre os dias 21 e 24 de janeiro e, durante a pesquisa, foram visitados cerca de 1.750 imóveis. A amostragem apontou que 99% dos focos de Dengue estão no interior das residências.

O resultado aponta risco de surto, de acordo com o Ministério da Saúde, pois está acima de 4%. Situação de alerta quando está no intervalo entre 1% e 3,9%; e indica risco de surto quando é igual ou superior a 4%.

De acordo com o levantamento, os locais onde mais foram encontrados foram caixas d’água, tambores, vasos sanitários em desuso, bebedouros de animais e reservatório de geladeira. Também foram coletados focos em materiais como pneus, depósitos em obras, hortas, calhas, lajes, piscina sem tratamento, garrafas, latas e sucatas.

Boletim Epidemiológico 2020

O último Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) no dia 21 de janeiro, apontou que em Nova Serrana e Santo Antônio do Monte foram registrados os primeiros casos de dengue com “sinais de alarme” na região Centro-Oeste de Minas em 2020.

A secretaria explicou que, diferentemente da dengue comum, casos indicados como “sinais de alarme” são aqueles que após a febre começar a ceder, o paciente apresenta outros sintomas como: dor abdominal intensa e contínua, ou dor a palpação do abdômen; vômitos persistentes; acumulação de líquidos; sangramento de mucosas; letargia ou irritabilidade; hipotensão postural; hepatomegalia maior do que 2 centímetros ou aumento progressivo do hematócrito.

Até o momento, foram notificados em todo o Estado oito casos de dengue com sinais de alarme, e outros dois casos classificados como dengue grave.

2019

As cidades que integram a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Divinópolis fecharam 2019 com o registro de 21 casos de dengue grave.

Do G1