NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 3 de dezembro de 2020

Foto Carlos Alonso/MasterCard/divulgação

 

O INSS iniciou um projeto-piloto no qual o beneficiário fará a prova de vida através biometria facial. Ainda em fase de testes, o procedimento será realizado através de um aplicativo que permite o reconhecimento facial do segurado com o uso da câmera frontal do celular, evitando que ele tenha que se deslocar para o banco neste momento de pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Nesta primeira etapa de testes do app, cerca de 500 mil segurados poderão ser convocados para a realização da biometria facial, sendo 66 mil somente em Minas Gerais. Os primeiros contatos com os beneficiários estão sendo feitos por meio de mensagens (SMS) enviadas pelo aplicativo “Meu INSS”, pela Central 135 ou por e-mail.

 

COMO SERÁ FEITA A PROVA DE VIDA?

Quem for convocado deverá fazer a prova de vida por biometria facial pelo aplicativo do Governo Digital (meu gov.br). A validação acontece em dois passos: prova de vivacidade e prova de identidade. Após essas duas etapas, o aplicativo indicará se aquela pessoa é, de fato, a mesma do CPF informado no cadastramento e a prova de vida será confirmada.

 

Quem participar do projeto-piloto e realizar a prova de vida por biometria terá́ o procedimento efetivado, ou seja, não precisará fazer um novo teste. Para realizar a comparação através da biometria facial, o INSS usará a base de dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

 

Segundo informações do INSS, o remetente que enviará o SMS será identificado como 280-41. Assim, qualquer mensagem sobre a prova de vida que não tenha esse número deve ser desconsiderada. “Caso o segurado que tenha sido notificado fique com alguma dúvida sobre a autenticidade e validade da mensagem, poderá ligar para 135, o que é o telefone oficial do INSS, para ter mais informações”, alerta a advogada Renata Brandão Canella.

 

 

COMO FUNCIONA A BIOMETRIA FACIAL?

 

Para tranquilizar o usuário ainda reticente, Isaac Ferreira explica passo a passo como funciona basicamente o reconhecimento facial.

 

“Através de vídeos ou selfies, o algoritmo faz a ligação dos pontos do rosto, como olhos, boca e nariz. Faz a distribuição das extremidades do rosto separando por linhas e pontos. Em seguida, o sistema transforma em uma sequência de números. Essa sequência de números é utilizada para identificar as pessoas quando ocorrer uma nova captura da face. Além disso, dependendo do dispositivo de captura, a tecnologia utiliza diversos recursos para comprovar a prova de vida e validar a qualidade da imagem capturada, desde movimento, brilho do fundo e identificação se a foto contempla uma pessoa ou objeto”, detalhou o especialista.

 

Por O Tempo