NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 14 de junho de 2021

Jair Bolsonaro durante evento em Açailândia, no Maranhão, nesta sexta-feira – Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República

 

 

O encontro formal entre os ex-presidentes da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que almoçaram e debateram ideias políticas durante a breve reunião em São Paulo na última semana, gerou repercussões na atual gestão do governo federal. Chefe do Executivo, Jair Bolsonaro (sem partido) insinuou em discurso nesta sexta-feira (21/5) que Lula é ‘ladrão’ e FHC ‘vagabundo’.

 

“Falando em política, para o ano que vem já há uma chapa formada: um ladrão candidato a presidente e um vagabundo como vice”, afirmou Bolsonaro, em Açailândia, no Maranhão, onde esteve nesta manhã para um evento de entrega de títulos de propriedade rural.

 

A afirmação de Bolsonaro faz alusão às eleições gerais de 2022. A tendência é que Lula, que presidiu o Brasil entre 2003 e 2010, dispute o pleito e tenha como principal adversário o atual presidente da República. Chefe do Executivo de 1995 a 2002, FHC, por outro lado, não tem interesse em qualquer disputa.

 

O encontro entre Lula e FHC foi organizado por Nelson Jobim, que recebeu os ex-presidentes em casa. Jobim foi ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) de 1997 a 2006, presidente da Corte entre 2004 e 2006 e ministro da Defesa de 2007 a 2011.

 

“A convite do ex-ministro Nelson Jobim, o ex-presidente Lula e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se reuniram para um almoço com muita democracia no cardápio. Os ex-presidentes tiveram uma longa conversa sobre o Brasil, sobre nossa democracia, e o descaso do governo Bolsonaro no enfrentamento da pandemia”, divulgou a assessoria de Lula, que só informou sobre o encontro nesta sexta, com ao menos uma semana de atraso. Por Uai 

 

Nova pesquisa mostra que Lula venceria Bolsonaro no 2º turno em 2022

 

Lula venceria Bolsonaro no 2º turno em 2022 – Foto AFP

 

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem 45% das intenções de voto contra 37% do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em um eventual segundo turno na disputa pela presidência do Brasil. Os dados são da pesquisa realizada em parceria entre o Exame Invest Pro e o Instituto de Pesquisa Especializada em Opinião Pública (Ideia), divulgados nesta sexta-feira (21/5).

 

Foram entrevistadas 1.200 pessoas entre os dias 19 e 20 de maio deste ano. Desde a última pesquisa do Exame/Ideia, realizada em abril, Lula vem tomando a vantagem na disputa. Se separados os grupos por região, a vitória de Lula está presente em apenas 2 regiões: Sudeste (47% x 38%) e Nordeste (50% x 35%). Nas demais regiões, o atual presidente ainda leva vantagem: Norte (64% x 25%), Sul (45% x 26%), e Centro-Oeste (42% x 34%).

 

Quando perguntados se o presidente Jair Bolsonaro merece ser reeleito, 53% dos entrevistados responderam que não, e apenas 37% responderam que sim. Quando a mesma pergunta foi feita sobre Lula, 50% acha que não e 39% que sim.

 

Já sobre a aprovação do atual governo, 50% das pessoas avaliaram como ruim ou péssimo, 24% como ótimo ou bom, e 22% como regular. Segundo a pesquisa, 63% dos que ganham mais de 5 salários-mínimos avaliam o governo Bolsonaro como ruim ou péssimo.

 

Mauricio Moura, fundador do Ideia, instituto de pesquisa, fez uma avaliação sobre esse resultado: “O grande destaque é que a gente percebe a irritação da classe média com o governo Bolsonaro. Ele perdeu popularidade nas classes A e B, com reflexo nas intenções de voto. Com isso, fica sempre a lição quando se trata de intenção de voto: quem está em reeleição segue como protagonista, mas a variável principal para uma queda ou uma retomada de preferência é a popularidade do presidente”.

 

Pensando no primeiro turno, o único candidato que se destaca além de Lula e Bolsonaro é Ciro Gomes (PDT), mas com apenas 4% dos votos.

 

Por Correio Braziliense