NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 21 de abril de 2021

Cemitério em Manaus, Amazonas registrou maior crescimento de mortes em 2021. Foto: MICHAEL DANTAS / AFP

 

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta quarta-feira (3).

 

O país registrou 1.840 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas – novamente um recorde desde o início da pandemia – chegando ao total de 259.402 óbitos desde seu começo. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias chegou a 1.332. A variação foi de 29% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de alta nos óbitos pela doença.

 

Já são 42 dias seguidos com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil, 7 dias acima de 1,1 mil, e pelo quarto dia a marca aparece acima de 1,2 mil. Foram cinco recordes seguidos de sábado até aqui. Veja a sequência da última semana na média móvel:

 

  • Quinta-feira (25): 1.150 (recorde)
  • Sexta-feira (26): 1.148
  • Sábado (27): 1.180 (recorde)
  • Domingo (28): 1.208 (recorde)
  • Segunda-feira (1º): 1.223 (recorde)
  • Terça-feira (2): 1.274 (recorde)
  • Quarta-feira (3): 1.332 (recorde)

 

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 10.722.221 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 74.376 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 56.602 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de 27% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de alta também nos diagnósticos.

 

Brasil, 3 de março

Total de mortes: 259.402
Registro de mortes em 24 horas: 1.840
Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.332 (variação em 14 dias: +29%)
Total de casos confirmados: 10.722.221
Registro de casos confirmados em 24 horas: 74.376
Média de novos casos nos últimos 7 dias: 56.602 por dia (variação em 14 dias: +27%)

 

Por G1 

 

 

Zema anuncia onda roxa e lockdown em parte de MG

 

 

MG registra 2º maior número de mortes na pandemia