NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 1 de dezembro de 2020

Foto Reprodução Internet

 

No dia 21 de julho de 2020, a Amaiben – Associação dos Amigos da Irmã Benigna , recebeu um e-mail da Congregação para a Causa dos Santos confirmando o recebimento da Carta Aberta ao Papa Francisco e os 5 volumes com as quase 40.000 assinaturas, enviados pela Secretaria Particular do Papa. Com isso, foi concluída uma etapa que durou cerca de dois anos, com um desfecho muito aguardado pelos amigos e devotos.

A Carta Aberta ao Papa Francisco pela beatificação da Irmã Benigna foi um clamor do povo que, através da Associação dos Amigos da Irmã Benigna – Amaiben, tendo à frente Dona Maria do Carmo Mariano, sua Presidente, respeitosamente pediu ao Sumo Pontífice a sua atenção para o Processo de Beatificação da Serva de Deus. A iniciativa, que envolveu milhares de pessoas, contou com a permissão do Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, atual Presidente da CNBB, que também assinou a Carta. O movimento recebeu o apoio da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade – CIANSP, contando com a assinatura da sua superiora, Madre Teresa Cristina leite, e das demais religiosas da congregação à qual pertenceu a Serva de Deus.

A coleta das assinaturas foi idealizada com muito critério, para evitar duplicidade. Foram montadas equipes de voluntários para os trabalhos, sendo uma fixa na Igreja São José, no centro de Belo Horizonte, duas equipes para percorrer diversas paróquias da arquidiocese e outra que se deslocou pelas cidades onde a Irmã Benigna viveu e também Sete Lagoas, sede da Amaiben e Rio de Janeiro, onde se encontram dois colégios da Congregação.

Uma grande mobilização popular marcou os trabalhos de coleta das assinaturas, que se iniciou em março de 2018 e envolveu pessoas de todas as idades e classes sociais, além de muitas famílias, todos desejosos de participar e contribuir para o Processo de Beatificação da Serva de Deus. Através do comunicado da Congregação para a Causa dos Santos à Amaiben, todos que participaram deste grande clamor popular, têm a tão esperada confirmação do seu recebimento pelo Santo Papa.

A Carta e os 5 volumes contendendo as assinaturas passam a integrar os documentos que fazem parte do processo de Beatificação da Irmã Benigna, que se encontra na fase romana, no Vaticano.

A notícia completa e toda a história da Carta, os registros e fotos desse grande movimento popular pela Beatificação da Serva de Deus encontram-se no site: www.irmabenigna.org.br. 

 

Em Itaúna

Itaúna foi a cidade onde a Irmã Benigna viveu os primeiros anos da sua vida religiosa, permanecendo por 12 anos. Na cidade, ela fez os votos perpétuos e diplomou-se em Enfermagem. Trabalhou no Hospital “Casa de Caridade Manoel Gonçalves de Souza Moreira”, onde também fundou uma maternidade, proporcionando grande assistência às mães carentes e a todos que a procuravam.

 

Centro de Convivência Irmã Benigna é inaugurado

Em 05 de junho de 2020, foi inaugurado o Centro de Convivência Irmã Benigna, espaço para descanso dos funcionários nos momentos de intervalo. O Centro de Convivência foi construído com o esforço dos funcionários do Hospital Manoel Gonçalves que, através de iniciativas, como ação entre amigos, bazar, festas e também doações da população, levantaram fundos para dar início à concretização deste sonho antigo.

Na inauguração o espaço recebeu a bênção do Padre Carlos, diretor espiritual do Hospital na época em que o projeto foi iniciado, e que também contribuiu de forma significativa com este sonho, tanto financeiramente quanto com seu jeito único e motivador.

O nome Irmâ Benigna

Foi pensando na dedicação e profissionalismo de nossos funcionários com os pacientes que chegam ao Hospital que o nome do Centro de convivência foi escolhido. Irmã Benigna foi uma mulher que sempre se dedicou ao próximo, designada a prestar serviços na Casa de Caridade Manoel Gonçalves de Souza em 1936, diplomada em enfermagem 1941 e nomeada como Madre Superiora em 1943, assumiu a direção da Casa de Caridade.

Em seu novo cargo fundou a maternidade do Hospital prestando assistência às mães carentes e a todos que à procuravam, em 1948, depois de 12 anos de dedicação, amor e trabalho irmã Benigna encerrou com louvor sua missão em Itaúna, deixando um legado de muito amor, caridade e fé.

 

 

Itaúna sediará missa em homenagem a Irmã Benigna

 

 

Itaúna recebe Missa em homenagem à Irmã Benigna