NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 11 de dezembro de 2019

 

 

A Polícia Civil investiga um casal que teria dado golpe em pelo menos 52 moradores de comunidades quilombolas em Conceição do Mato Dentro, na região Central de Minas. Os suspeitos se apresentavam como gerentes de um projeto habitacional do governo federal e cobravam um valor para realizar suposto cadastro. Com a fraude, o casal teria arrecadado mais de R$ 14 mil.

 

Segundo a corporação, o inquérito que investiga o caso foi aberto em 26 de junho, data da primeira ocorrência. Desde então, mais de 50 pessoas estiveram na Delegacia de Conceição do Mato Dentro denunciando que foram vítimas do golpe.

 

O programa “Eco-Casas”, ao qual os suspeitos se referiam para enganar os moradores, não existe. Citada pelos suspeitos como responsável pelo suposto programa, a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, abrigada no ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, manifestou-se sobre o golpe.

 

Por meio de nota, o órgão afirmou que “vem a público esclarecer que neste Governo não é cobrada nenhuma taxa de cadastro ou formulário de acesso às políticas públicas e de assistência a povos e comunidades tradicionais. Portanto, a orientação é que qualquer comportamento dessa natureza seja denunciado no Disque 100 para que sejam tomadas as providências cabíveis a cada caso”.

 

A ministra Damares Alves, que chefia a pasta, também se pronunciou no Twitter, no último dia 9, em resposta a uma reportagem do jornal Agora Paraná, dizendo que não havia autorizado o suspeito a falar em seu nome e que pediu à Polícia Federal para que investigue.