NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 28 de novembro de 2020

pontos turiscos minas

 

 

 

 

Belo Horizonte, Diamantina, Ouro Preto e Tiradentes apresentaram crescimento do Índice de Competitividade, levantamento que avalia anualmente o nível de desenvolvimento de 65 destinos considerados indutores do turismo regional. No geral, o índice da capital cresceu 0,9{4f38b4b7d8b4b299132941acfb1d57d271347fbd28c4ac4a2917fcb5fee07f0b} em relação a 2014 – subindo de 78,5 pontos para 79,2, acima do crescimento das capitais nacionais que foi de 0,6{4f38b4b7d8b4b299132941acfb1d57d271347fbd28c4ac4a2917fcb5fee07f0b}, com média de 68,6 pontos. Já o índice das cidades mineiras do interior que era de 59,9 pontos em 2014, subiu para 61,5 em 2015, ficando acima da média nacional das não capitais, que foi de 53,8.

De acordo com o diretor de Pesquisa, Informação Turística e Estatística da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), Rafael de Oliveira, “o estudo demonstra que os destinos turísticos mineiros estão se tornando cada vez mais competitivos ao compararmos com os demais destinos nacionais. A pesquisa nos auxilia a compreender os pontos fortes e identificar possíveis melhorias a serem feitas em cada destino para aumentar a qualidade de produtos e serviços turísticos ofertados e, consequentemente, o nível de satisfação dos visitantes, gerando benefícios para toda a cadeia produtiva do turismo”.

O estudo avaliou a evolução dos destinos em 13 aspectos que compõem a atividade turística: infraestrutura geral, qualidade de acesso, serviços e equipamentos turísticos, atrativos, marketing e a promoção do turismo, políticas públicas, cooperação regional, monitoramento, economia local, capacidade empresarial, aspectos sociais, ambientais e culturais. A metodologia considerou prerrogativas do Índice de Competitividade do Fórum Econômico Mundial, que avalia diversas dimensões do setor em escala global.

O Índice de Competividade é desenvolvido pelo Ministério do Turismo, Sebrae Nacional e Fundação Getúlio Vargas.

Destaques

Belo Horizonte subiu do 5º para o 3º lugar na dimensão serviços e equipamentos turísticos, que é composta pelas seguintes variáveis: sinalização turística; centro de atendimento ao turista; espaços para eventos; capacidade dos meios de hospedagem; capacidade do turismo receptivo; estrutura de qualificação para o turismo; e capacidade dos restaurantes, ficando atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro.

A pontuação obtida foi de 86,6 pontos, bem acima da média das capitais que foi de 72,3 pontos. Na dimensão monitoramento, onde é analisado o setor específico de estudos e pesquisas, a capital mineira saltou da 3ª para a 2ª posição (80,3 pontos), ficando atrás apenas de São Paulo, o que representou uma diferença de 80{4f38b4b7d8b4b299132941acfb1d57d271347fbd28c4ac4a2917fcb5fee07f0b} quando comparada com a média das capitais (44,6). Em relação aos aspectos ambientais, em 2014 Belo Horizonte não aparecia entre os 10 destinos com as melhores notas. Já neste ano ocupou a 9ª posição com uma pontuação de 80,4, superando a média das demais capitais (74,9).

O município de Ouro Preto que em 2014 não estava na listagem dos 10 destinos com maiores notas na dimensão atrativos turísticos, ocupou a 10ª posição neste ano com 74,4 pontos, ou seja, 18,8{4f38b4b7d8b4b299132941acfb1d57d271347fbd28c4ac4a2917fcb5fee07f0b} maior que a média das não capitais (62,6). Essa dimensão é composta pela análise dos atrativos naturais e culturais, bem como eventos programados, realizações técnicas, científicas ou artísticas e diversidade de atrativos e equipamentos de lazer. Em relação ao monitoramento, o município que antes ocupava a 5ª posição agora está na 4ª, com 78,6 pontos, ficando atrás de São Paulo, Belo Horizonte e Foz do Iguaçu. Em relação à média das não capitais, a pontuação obtida foi 30,4.

A cidade de Diamantina observou um grande aumento no quesito infraestrutura geral, subindo de 80,7 pontos em 2014 para 82,9, o que fez com que o destino saltasse do 13º lugar para o 8º nesse item, superando também a média das não capitais (61,8). O mesmo aconteceu na dimensão marketing e promoção do destino, que analisa aspectos das variáveis de marketing, participação em feiras/eventos, promoção do destino e estratégias de promoção digital. Antes, o destino ocupava a 13ª posição com 60,7 pontos, e, atualmente ocupa a 10ª posição com 62,7 pontos – superando a média das não capitais em 39,3{4f38b4b7d8b4b299132941acfb1d57d271347fbd28c4ac4a2917fcb5fee07f0b}.

Tiradentes se destacou no quesito cooperação regional ocupando a 2ª posição no ranking dos 10 melhores destinos e ficando atrás apenas de Bento Gonçalves. O município mineiro que em 2014 estava em 4º lugar com 77,6 pontos, neste ano alcançou 82,7 pontos – superando a média das não capitais (51,7) em 60,0{4f38b4b7d8b4b299132941acfb1d57d271347fbd28c4ac4a2917fcb5fee07f0b}.