NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 27 de novembro de 2020

Foram registrados mais de 47 mil casos da doença em Minas – Foto: Alex de Jesus/O TEMPO

 

Noventa mineiros mortos após serem infectados com a Covid-19 entraram para a lista de óbitos causados pelo coronavírus apenas nas últimas 24 horas – uma média entre três e quatro mortes por hora entre segunda-feira (27) e esta terça-feira (28). Minas Gerais concentra atualmente o alarmante número de 2.551 mortes provocadas pela doença, sendo que outras 122 ainda estão em processo de análise e podem ser confirmadas nos próximos dias.

A maior quantidade de óbitos detectados nas últimas 24 horas aconteceu em Belo Horizonte, são 24 mortes na capital mineira. Logo atrás aparece Contagem que registrou 12 destas 90 mortes.

As informações estão contidas no boletim epidemiológico publicado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) na manhã desta terça-feira (28). O relatório também indica que 116.645 residentes em Minas Gerais testaram positivo para a Covid-19. Comparados os dados relatados na segunda e nesta terça nota-se que 2.927 casos foram confirmados apenas nas últimas 24 horas, cerca de 121 novos diagnósticos por hora.

Frente o total de infectados, Belo Horizonte é a cidade com a maior concentração de moradores testados positivos para a Covid-19, uma vez que 17.714 dos infectados em Minas Gerais estão na capital mineira. Uberlândia no Triângulo Mineiro aparece como o município com a segunda maior concentração de casos de coronavírus, são 12.036.

Fora estas estatísticas, a Saúde publicou também que a quantidade de cidades com casos confirmados em Minas Gerais pulou de 793 para 795 – significa que 93% dos municípios mineiros já apresentam casos de coronavírus. As mortes registradas aconteceram em 375 deles e sabe-se que a doença ataca de forma fatal principalmente aqueles infectados com idades acima de 60 anos e que possuem comorbidades anteriores como doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão.

Outro dado contido no relatório diz respeito à necessidade de hospitalização de mineiros que testaram positivo para a doença. De acordo com o documento, 12.718 dos infectados precisaram ser internados nas redes pública ou privada do Estado, sendo que os demais cumpriram apenas isolamento domiciliar no período determinado.

Entretanto, há ainda um outro alerta referente à urgência relacionada a quadros respiratórios. Segundo a Secretaria de Saúde, a taxa de hospitalização por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) cujo quadro sintomático é bastante próximo do provocado pelo coronavírus aumentou em 1.115% se comparados os sete primeiros meses do ano passado com os já transcorridos neste ano.

 

Por O Tempo