NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 18 de junho de 2021

Foto: Jefferson Rudy/ Agência Senado

 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, garantiu que todos os brasileiros maiores de 18 anos estarão vacinados contra a COVID-19 até o fim deste ano. Ele fez a promessa nesta sexta-feira (4/6), em entrevista ao Correio Braziliense. Segundo o integrante do governo Jair Bolsonaro (sem partido), o país firmou acordos suficientes para obter 600 milhões de imunizantes. A busca, agora, é por antecipar a chegada das injeções.

 

“O compromisso do governo brasileiro é com o fornecimento de vacinas que sejam eficazes, seguras e que tenham efetividade. Até o final do ano, vacinaremos toda a população brasileira acima dos 18 anos”, disse, durante sabatina no programa CB.Poder.

 

Queiroga assegurou que o poder Executivo federal considera todas as vacinas com aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para este momento, além da antecipação das entregas, uma das ideias em pauta é repassar mais ampolas a estados nas fronteiras nacionais ou que enfrentam situação epidemiológica delicada.

 

“O que queremos fazer, é antecipar. Ter mais doses agora, neste momento. Até porque, apesar de sermos um país tropical, a gente vive momento de uma estação climática, sobretudo no Sul do país, mais fria, onde existe tendência maior de circulação do vírus — e, assim, a possibilidade de novos casos”, sustentou.

 

Nesta sexta, o governo firmou acordo com a farmacêutica Janssen. As 3 milhões de doses que compõem o trato devem, de acordo com Queiroga, ser utilizadas já neste mês.

 

Para junho, a estimativa é encaminhar 40 milhões de doses aos governos locais.

 

Pfizer e AstraZeneca

 

O ministro da Saúde celebrou o acordo entre AstraZeneca e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para transferência de tecnologia. Com o trato, o Brasil poderá produzir imunizantes com o ingrediente farmacêutico ativo (IFA) totalmente nacional.

 

“Isso é uma grande conquista. É uma aposta no fortalecimento do complexo industrial da saúde”, projetou.

 

Segundo Queiroga, o país terá, até setembro, 100 milhões de exemplares do composto desenvolvido pela Pfizer. Do nono mês deste ano a dezembro, a estimativa prevê a chegada de outras 100 milhões de doses.

 

O chefe do Ministério da Saúde afirmou ter conduzido trabalho ao lado do ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França. A dupla está responsável por conversar com outros países e organizações de saúde em busca de mais doses.

 

Nessa quinta (3), os Estados Unidos anunciaram a transferência de vacinas a outras nações. O Brasil foi incluído em um grupo de países que vai dividir 6 milhões de injeções.

 

 

Por Estado de Minas