NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 29 de novembro de 2020

mg050a2

Depois de quase dois anos da conclusão e entrega das obras da Duplicação da MG-050, continua os problemas de iluminação nos trevos. Enquanto a concessionária da estrada, Prefeitura e Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig – disputam entre si quem é responsável por resolver a situação, a população fica na escuridão.

Nenhuma das partes envolvidas assume os custos de reinstalação do sistema. Os 82 postes e uma linha de distribuição que iluminavam os acessos ao município foram retirados em janeiro de 2012 como parte das intervenções, que previam no novo traçado a construção de duas passarelas, uma na altura do Km 85,9, e uma ponte sobre o rio São João, na chegada ao bairro Santanense, que sequer saiu do papel. O “breu” oferece riscos a motoristas e pedestres, como estudantes que caminham a pé nos cerca de 1,5 quilômetros que separam a Universidade de Itaúna, . A escuridão gera insegurança também para quem utiliza os pontos de ônibus.

Alvo de 55 processos com R$ 12,7 milhões em multas já aplicadas por descumprimento de cláusulas contratuais como atrasos na execução das obras, a empresa responsável por administrar 344,4 quilômetros da estrada desde Juatuba a São Sebastião do Oeste, na divisa com São Paulo, sustenta que a iluminação não é encargo dela. A posição é endossada pela Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas – Setop – que diz não haver registro de responsabilidade na recolocação ou implantação de novos postes no trecho após a entrega das benfeitorias. A Cemig põe a obrigação na conta da administração municipal, que por sua vez culpa o Estado, apesar de ter licitado um projeto que tem dificuldades para executar devido à situação financeira da Prefeitura, que não é boa.