NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 3 de junho de 2020

Jair Quirino de Oliveira é uma das vítimas da Covid-19 em Minas Gerais – Foto: Arquivo pessoal

 

“O mais difícil para mim foi não poder ver ele. Não poder abrir o caixão”. O lamento é de Geisiane Quirino Oliveira que perdeu o pai, vítima da Covid-19, em Martinho Campos. Jair tinha 62 anos e morreu no dia 26 de abril, duas semanas depois de ser internado com os sintomas da doença.

O caso de Jair Quirino Oliveira, até quinta-feira (21), era o único registrado no município. Além de Jair, outras seis mortes foram registradas no Centro-Oeste do Estado, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG): Carmo do Cajuru (2), Capitólio, Divinópolis, Nova Serrana e Piumhi.

A família disse que ele era formado em patologia clínica e trabalhou no ramo de farmácia. Por causa disso, quando apareceram os primeiros sintomas do coronavírus, ele achou que pudesse ser outro problema e se automedicou.

“Ele começou a ter a febre dia 12 de abril, e achou que era simplesmente uma sinusite. Por ele confiar demais em si mesmo, não procurou um médico e começou a tomar medicamento por conta própria”, disse Geisiane.

Após os sintomas terem piorado, Jair foi internado no dia 19 de abril. Dois dias depois, ele foi transferido para o Hospital Eduardo de Menezes, em Belo Horizonte. Contudo, após duas semanas internado, ele não resistiu e morreu.

“Ele amava comentar, discutir futebol, política. Gostava de contar piada, era uma pessoa muito conhecida em Martinho Campos. Todo mundo gostava muito dele, sempre procurava ele”, finalizou a viúva de Jair, Giselma Quirino Oliveira.

 

Do G1