NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 16 de setembro de 2019

O Tempo

O gerente de um banco de São Gonçalo do Pará, região Centro-Oeste de Minas Gerais, e sua família foram sequestrados quando voltavam para casa após uma missa e feitos reféns na noite desse domingo (8).

A Polícia Militar acredita que os dois homens à frente do crime manteriam o funcionário e seus parentes em cárcere privado até a manhã desta segunda-feira (9), quando assaltariam o banco.

No entanto, a tentativa de roubo foi frustrada por um descuido dos criminosos. Ao invadir a casa da família, suspeitos obrigaram o gerente, seu irmão e seu pai, um idoso de 74 anos, a entrar no carro do agente bancário e os levaram até uma estrada próxima a uma comunidade rural em Divinópolis, na mesma região.

A mãe do funcionário, também idosa, foi deixada na residência e, ao ver seus filhos e marido sequestrados, decidiu ir até a casa de uma vizinha, que acionou a polícia.

Já na estrada deserta, como contou o gerente aos militares, os suspeitos teriam conversado e dito aos três homens que, por ordem do chefe da quadrilha, voltariam à casa da família para sequestrar a mãe.

O gerente e seu pai ficaram na estrada, encapuzados e algemados com invólucros descartáveis. Contudo, o irmão, de 44 anos, continuou no carro e seguiu de volta para São Gonçalo do Pará, onde a mãe dele seria sequestrada.

Antes de ir, suspeitos pediram que o funcionário ficasse calmo e “colaborasse” para que nada acontecesse com ele ou com seus familiares. Os criminosos garantiram a ele que não queriam machucá-lo e queriam apenas “algo do banco” em que ele trabalha.

Tentativa frustrada

Enquanto os suspeitos voltavam à casa, o batalhão da Polícia Militar de Divinópolis, à frente da ocorrência com apoio de agentes que atuam na região, recebeu inúmeras ligações anônimas.

Todas as chamadas denunciavam que carros, um deles com marcas de disparos na lataria, seguiam em alta velocidade por vias próximas à região. Em algumas das ligações, pessoas garantiram ter visto dois homens, que seriam pai do gerente e ele próprio, caminhando por uma estrada.

Quando chegaram nas ruas próximas à residência onde a mãe estava, suspeitos perceberam que militares já haviam feito o cerco na região. O irmão da vítima foi deixado por ali e resgatado, assim como pai e gerente, encontrados após as denúncias feitas através do 181. A família foi encaminhada a um hospital da região e o quadro de todos é estável.

Suspeitos na mira

Depois de abandonar a última vítima mantida em cárcere, os sequestradores fugiram e, até a manhã desta segunda-feira (9), ainda não haviam sido encontrados. Apesar de encapuzados, vítimas conseguiram ver o rosto de um dos autores, que têm uma mancha na testa.

Um Fiat Pálio com marcas de disparo nas laterais e nas traseiras é apontado como um dos veículos usados para o crime. O carro da vítima, levado pelos suspeitos, não foi encontrado.

Um jovem de 22 anos está sob a mira dos investigadores e é apontado como um dos possíveis suspeitos de participar do crime. Ao longo da semana, uma pessoa ligou para a PM e denunciou, de forma anônima, que um homem cercava o banco há algum tempo, com atitude bastante suspeita.

Lá, os militares conversaram com esse jovem que, morador de Nova Serrana, não soube dizer o porquê de sua visita a São Gonçalo do Pará, assim como não conseguiu explicar sua ronda ao redor do banco.

Este homem tem passagens por roubo, tráfico de drogas, porte de arma e receptação mas, àquela ocasião, sem indícios de crime, foi liberado.