NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 20 de abril de 2021

A Polícia Civil de Minas em apoio à Polícia Civil do Estado de Goiás prendeu o suspeito de 39 anos – Foto Divulgação Polícia Civil

 

 

A Polícia Civil mineira, em apoio à Polícia Civil do Estado de Goiás, prendeu, na manhã desta terça-feira 26/01, um homem, de 39 anos, suspeito de produzir e divulgar em uma rede social imagens íntimas da própria filha, de 6 anos.

O investigado foi localizado em uma cidade no Centro-Oeste mineiro. O celular dele e um caderno da vítima foram apreendidos.

De acordo com a titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos da PCGO, delegada Sabrina Leves de Lima, as investigações começaram a partir do recebimento de denúncia de uma testemunha, com informações de que um homem estaria transmitindo imagens de uma criança nua em um aplicativo de celular.

Após as apurações realizadas pelos policiais de Goiás, a investigação foi encaminhada a de Minas, que representou judicialmente pela prisão do investigado e pela busca e apreensão domiciliar. “Questionado sobre os fatos, o pai da criança confessou a autoria dos vídeos. Ao final do inquérito, ele poderá ser indiciado pelos crimes de estupro de vulnerável e satisfação de lascívia mediante presença de criança”, informa o delegado Douglas Barcelos, responsável pelas investigações na Delegacia Regional em Pará de Minas.

Conforme apurado, suspeito e vítima são moradores de uma pequena cidade na região de Pará de Minas. Além disso, as informações levantadas pela Polícia Civil de Goiás apontam que o homem possui intenso contato com a filha e ostenta, em sua foto de perfil em um aplicativo, uma imagem na qual ele aparece beijando a boca da menina.

Durante coletiva de imprensa nesta tarde, a Polícia Civil informou que o homem realizou uma transmissão ao vivo, por meio de um aplicativo na internet que não foi informado, onde exibia a filha nua e no decorrer da transmissão ocorreram abusos sexuais. A Polícia afirmou ainda que na foto de perfil do suspeito no aplicativo, está uma imagem na qual ele aparece beijando a boca da menina.

A Civil investiga se ocorreram outras transmissões semelhantes, além de divulgação de outros conteúdos de nudez e pornografia infantil.

Segundo o delegado Carlos Henrique, o homem recebia criptomoedas, que podem ser convertidas para o Real, pela divulgação do conteúdo de nudez da filha, ou seja, ele era remunerado por meio de pagamento virtual para divulgar as cenas de abusos contra a menina.

 

Prisão

O homem foi preso nesta terça-feira (26) no local de trabalho e durante interrogatório, confessou o crime. Segundo a Polícia Civil, a mãe da criança não morava com a filha. Ela mora em outra cidade enquanto a menina vivia apenas com o pai.

O delegado regional em Pará de Minas, Carlos Henrique Gomes Bueno, destaca o trabalho executado pelas equipes. “A prisão desse investigado só foi possível graças à atuação integrada das polícias civis de Minas Gerais e de Goiás”, pontua. E a delegada Sabrina Leves reforça que o resultado alcançado “foi possível pela atitude corajosa da denunciante e pelo trabalho policial em conjunto, o que certamente resultou no acolhimento da criança”.

As investigações foram realizadas pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos da PCGO, com apoio da PCMG em Pará de Minas e Pitangui.

 

 

 

Celular do homem e um caderno da criança – Foto Divulgação Polícia Civil