NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 21 de novembro de 2019

Fonte: G1 Foto: Internet

Um homem de 38 anos, suspeito de abusar sexualmente de uma adolescente de 13 anos, foi preso após se apresentar hoje na delegacia da Polícia Civil em Carmo do Cajuru. O suspeito é padrasto da menina.

O caso foi descoberto pela mãe da adolescente, um mês após a Polícia ter divulgado que havia prendido o irmão do marido dela, após a ter sido descoberto que a menina era violentada pelo irmão do marido. Inclusive, a adolescente ficou grávida e deu à luz a uma menina em julho de 2018.

De acordo com o Delegado responsável pelo caso, Weslley Amaral de Castro, a mãe da adolescente contou que flagrou o marido abusando da filha dentro de um quarto da casa onde eles moram.

A polícia não informou quando isso ocorreu, mas informou que a mulher chamou a Polícia Militar (PM), porém, o marido fugiu antes da polícia chegar. O delegado disse que o caso foi reaberto e as investigações descobriram que o padrasto e o irmão dele abusavam da adolescente há vários anos.

Os abusos segundo Castro, teriam começado quando a vítima ainda era criança e havia sido diagnosticada com retardo mental não especificado, além de transtorno expressivo de linguagem e transtorno misto de habilidades escolares.

As investigações apontaram ainda que o investigado, que residia no mesmo local que a vítima, aproveitava de momentos em que estava sozinho com ela para praticar os abusos e, mesmo sabendo das doenças psicológicas dela, praticava o crime.

Entenda o caso

O inquérito foi instaurado após o nascimento da bebê, que nasceu no sétimo mês de gestação. Um exame de DNA requerido pela Justiça confirmou que Luciano Delino Barbosa, 40 anos, irmão do padrasto da adolescente, é o pai do bebê.

Na época, mesmo com o resultado do exame de DNA, ele negou ter praticado o abuso e afirmou que não visitava a casa da garota.

Segundo Castro, após a prática do crime verificou-se que recentemente o investigado teria feito um passaporte e tinha o intuito de fugir para a Espanha. Diante da situação, o passaporte dele foi apreendido e os fatos comunicados à Polícia Federal e à Justiça que determinou a prisão preventiva.

Ele está no presídio Floramar em Divinópolis, e indiciado pelo crime de estupro de vulnerável.

A investigação revelou ainda que a adolescente ficava sozinha em casa por boa parte do dia, já que a mãe e o padrasto saíam para trabalhar. O suspeito ia até a residência da vítima, junto ao filho, e abusava da menina.

Em depoimento, a vítima afirmou que o filho do suspeito a segurava e a amordaçava, enquanto o homem mantinha relações sexuais com ela. A adolescente afirmou que o suspeito “trocava de posição” com o filho quando terminava o abuso, que ocorreram por três vezes entre o final de 2017 e o início de 2018.

O delegado revelou que, além dos abusos sexuais, o suspeito ameaçava a vítima e os familiares para que ela não o denunciasse.

“As investigações persistirão para se apurar uma eventual conivência dos familiares da vítima [com o abuso], ou ainda a prática do crime de abandono de incapaz”, revelou.