Itaúna volta a registrar mais de 700 casos por Covid-19 em 24 h

27/01/2022 | Itaúna

 

São 5.272 itaunenses contaminados só em janeiro – Foto Rádio Santana FM

 

 

Itaúna voltou a registrar mais de 700 casos por Covid-19, infecção causada pelo novo coronavírus, em um dia. Nesta quinta-feira 27/1, o município contabilizou 758 infectados, 10 a menos que o dia anterior, elevando o número para 16.463 desde o começo da pandemia.

 

Nesta quarta-feira 26/7, o boletim tinha contabilizado 768 pessoas contaminadas. O recorde ate aqui em 24 horas. É a segunda semana com registro de explosão de casos. Os números vem crescendo desde o dia 14/1, quando superou a marca de 100 contaminações.

 

A média móvel dos últimos 7 dias, também não para de aumentar. Ainda de acordo com a atualização da Prefeitura de Itaúna, chegou em 391 casos diários nesta quinta, com variação de 734%.

 

Considerando só os números janeiro de 2022, são 5.272 itaunenses contaminados. O município vive o pior momento da pandemia em positivados.

 

Boletim Hospitalar

 

Por outro lado o número de internações registra queda nesta quinta, segundo o boletim do Hospital Manoel Gonçalves, 17 pacientes tratam a infeção. A semana começou com recorde de pessoas hospitalizadas, 25 no total. Na terça e quarta havia reduziu para 23 pacientes.

 

Dos 17 pacientes, 7 estão no CTI Covid, sendo cinco de Itaúna e dois da região. Na ala de enfermaria outras 10 pessoas. Seis de Itaúna e 4 da microregião.

 

Os municípios de Itatiaiuçu, Itaguara e Piracema fazem parte da microregião de Itaúna e tratam a doença no Hospital Manoel Gonçalves.

 

Vidas perdidas

 

O total de mortes confirmadas por Covid-19 permanece em 289 no município. A morte mais recente foi divulgada na terça-feirab 25/1. De acordo com a atualização do boletim da Secretaria Municipal de Saúde, a vítima é uma paciente do sexo feminino. A mulher de 52 anos não tinha outras comorbidades.

 

Em nota, Hospital e Secretaria de Saúde ressalta a importância do uso correto da máscara, a necessidade do distanciamento social, além das medidas de higiene pessoal.

 

Vacina salva

 

As vacinas não impedem as pessoas de contraírem a infecção mais de uma vez, mas impede as pessoas de desenvolverem a gravidade da doença, a ponto de precisarem de hospitalização.

 

Nenhuma vacina oferece proteção de 100% contra doenças, mas todas reduzem o risco de infecção, hospitalização e morte, principalmente depois da dose de reforço.

 

Apesar da probabilidade de infecção após a vacina ser pequena, quanto mais a doença estiver circulando, maior é o risco de o imunizante falhar. Por isso a necessidade de vacinar o maior número de pessoas possíveis.

 

 

 

 

 

 

Veja também