NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 3 de dezembro de 2020

Joao paulo miranda

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estava marcado para acontecer na manhã desta quinta (10) o julgamento de, João Paulo Miranda, de 19 anos, que em janeiro deste ano foi preso e acusado de ter participado junto a quatro outras pessoas de um assassinato na cidade.

 

À época foram encontrados em um veículo Corolla vários documentos de João Paulo inclusive o registro do carro em seu nome. João foi detido em seu apartamento juntamente com sua namorada acusados de suspeita de homicídio e tráfico de drogas. Segundo apontaram as investigações João Paulo de Miranda e seus comparsas estavam cumprindo ordem de um traficante que encomendou a morte de Lucas Carvalho Oliveira 27 apelidado de bocão, que estaria tendo um caso com a namorada do referido traficante que seria do bairro Itaunense.

 

Mas para a surpresa de todos a audiência foi cancelada nos primeiros minutos, segundo apurou o jornalismo da Santana FM, ao iniciar a sessão o juiz Paulo Antônio de Carvalho foi informado por três membros do Júri que o pai do acusado (citando-o nominalmente), os havia procurado, oferecendo-lhes determinada quantia em dinheiro para que votassem a favor da inocência de seu filho. Diante da grave acusação Dr. Paulo declarou suspenso o julgamento.

 

A Rádio Santana entrou em contato com o Fórum de Itaúna, mas fomos informados pela secretária do Juiz que ninguém autorizado a falar sobre o assunto se encontrava naquele momento. Já em contato com a 2ª promotoria cujo titular é o Dr. Rodrigo Bragança, fomos informados por uma estagiária que em razão da greve dos funcionários da promotoria ninguém poderia nos atender e que pelo fato de haver audiências programadas para hoje o promotor não se encontrava, ademais as informações correm sobre segredo de justiça. 

 

VICE PREFEITO SE DEFENDE. 

 

Em contato com o Antônio de Miranda, vice-prefeito de Itaúna e pai de João Paulo o mesmo negou veementemente sua participação neste tipo de situação e que a razão do grande alarde do assunto é o fato dele ser uma pessoa pública e ligada ao mundo político.

 

 Antônio de Miranda afirmou que em todos os anos de sua vida pública nunca usou de seu cargo ou de seu posicionamento político em benefício próprio e que seria incapaz de coagir quem quer que seja, que sua vida sempre foi pautada pela ética e caráter.

 

Antônio ainda afirmou que é claro, espera que seu filho seja julgado dentro da lógica de sua culpabilidade respondendo apenas pelo delito que cometeu, que entende também que João deve e tem que resgatar seus débitos junto à justiça e que inclusive já o está fazendo, afirma ainda ter entendido como correta a atitude do ministério público, do promotor Dr. Rodrigo Bragança e da justiça como um todo que  diante de uma suspeita, suspendeu o julgamento para apuração dos fatos, mas reafirma que seria incapaz de coagir ou subornar alguém em benefício próprio ou de seu filho e que ao final, tudo será demonstrar ser um grande mal-entendido. 

 

Manifestação de um dos jurados

 

O facebook, da Santana FM, recebeu na tarde de hoje a  manifestação de um dos membros do corpo de jurados do Tribunal do Júri da Comarca de Itaúna que prestou esclarecimentos sobre o ocorrido na sessão de hoje no Fórum local. Segue na integra a mensagem enviada.

 

“Boa tarde, meu nome é Marcello Moreira de Figueiredo, sou natural e residente de Itaúna. Sou membro do corpo de jurados do tribunal do juri da comarca de Itaúna, e estava presente na sessão de hoje, onde seria julgado o réu João Paulo.

 

 

Antes de iniciada a sessão o Juiz Paulo de Carvalho, fez uma reunião com nós, os 25 jurados sorteados para hoje e perguntou se algum de nós teria se reunido com o vice prefeito Antônio de Miranda para falar de algo referente ao julgamento de seu filho.

 

 

Três dos jurados disseram que tiveram contato com vice prefeito, mas em momento algum foi falado em oferecimento de dinheiro como relatado na matéria.

 

 

O atual vice prefeito tentou se beneficiar pela influência politica e por conhecer alguns dos jurados, mas não houve dinheiro envolvido na conversa. A pedido do Ministério Público o Dr. Paulo de Carvalho juiz da comarca decidiu adiar o julgamento, por motivo de tentativa de aliciamento de jurados, e será aberto um inquérito para investigação.

 

 

Não conheço a vitima, réu ou o pai do réu, meu compromisso é com a verdade, e ao ler a matéria fiquei incomodado com os fatos descritos. ”

 

Vale salientar que a matéria publicada por nosso jornalismo em nenhum momento acusa ou afirma que evidentemente houve oferta de dinheiro por parte do vice prefeito aos jurados, diz apenas que “segundo apuramos o pai do r&ea
cute;u foi acusado por jurados” o que não caracteriza acusação de nossa parte  e sim uma suspeita em relação ao caso  diante das informações obtidas, já que  como citamos , o caso segue sob segredo de justiça e não eram oficiais. 

 

Agradecemos a participação de Marcelo Moreira, colaborando para o esclarecimento dos fatos .