NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 9 de maio de 2021

Na última semana, Minas Gerais registrou aumento de 5,2% nos casos de covid-19 e 7,8% nos óbitos decorrentes da doença – Foto Santana FM

 

Por mais uma semana, a macrorregião Oeste permanece na Onda Roxa do programa “Minas Consciente”. A decisão do Comitê Extraordinário Covid-19 foi divulgada nesta quarta-feira (7) e vale a partir da próxima segunda-feira (12).

 

Durante a reunião, o Comitê decidiu ainda pela suspensão da restrição de circulação de pessoas e também de encontros familiares. A Onda Roxa é impositiva e sobrepõe as regras determinadas pelas prefeituras.

 

A região, como todo o estado, passou para a Onda Roxa no dia 17 de março. Contudo, em reunião no dia 13 do mesmo mês, em Divinópolis, o colegiado de prefeitos da macrorregião Oeste definiu pela inserção dos municípios na Onda Roxa do “Minas Consciente” a partir do dia seguinte.

 

Assim como a região do Triângulo Norte, a macrorregião Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras avançaram para a Onda Vermelha. As outras 12 macrorregiões permanecem na fase mais restritiva.

 

Minas

 

Na última semana, Minas Gerais registrou aumento de 5,2% nos casos de covid-19 e 7,8% nos óbitos decorrentes da doença. A taxa de isolamento no estado na última semana, foi de 46,3%; no Brasil foi 49,94%. A incidência da Covid-19 em Minas Gerais caiu 21% nos últimos 14 dias e 6% nos últimos sete dias.

“Conseguimos uma taxa de isolamento crescente desde a semana 11, quando a Onda Roxa foi implementada em todo o estado. Mesmo assim, é um pouco lenta a queda na incidência, mas nos locais em que foi implementada primeiro temos tido sucesso. Os óbitos ainda estão subindo, mas isso não significa que estamos caminhando para a piora. O óbito é o último indicador a subir e reflete o colapso que vivenciamos em março e começo de abril. A tendência importante é o número de casos novos, incidência e ocupação. Já sentimos melhora nesses indicadores”, explicou o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti.

 

Conforme o Estado, o avanço de uma macrorregião para uma fase mais flexível é baseado em um sistema de pontuação, elaborado com base nos dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

 

É considerado indicadores como taxa de incidência, positividade, ocupação de leitos e grau de risco, a macrorregião atinge uma pontuação de 0 a 32, sendo:

 

Até 12 pontos: Onda Verde;
Entre 13 e 19 pontos: Onda Amarela;
20 pontos ou mais: Onda Vermelha;
Avaliação excepcional: Onda Roxa (criada para restabelecer a capacidade assistencial).
A macrorregião Oeste está com 28 pontos.

Veja abaixo as medidas impostas pela Onda Roxa:

Fechamento do comércio não essencial

Suspensão de cirurgias eletivas

Apoio das forças de segurança

Restrição de circulação de pessoas (só poderão sair de casa para atividades essenciais)

Proibição de pessoas sem máscara em qualquer espaço

Proibição de circulação de pessoas com sintomas de gripe

Fechamento de bares e restaurantes (funcionamento apenas por delivery)

Proibição de eventos públicos e privados

Serviços considerados essenciais pelo Minas Consciente:

Alimentos, Agropecuária e Agroindústria (excluídos bares e restaurantes);

Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias, etc);

Bancos e seguros;

Transporte público;

Energia, gás, petróleo, combustíveis e derivados;

Manutenção de equipamentos e veículos;

Construção civil;

Indústrias (apenas da cadeia de Atividades Essenciais);

Lavanderias;

Imprensa;

Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação;

Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc.).

Governo de Minas define fim do toque de recolher e permite reuniões familiares

Por G1