NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 29 de novembro de 2020

deslocamento barragem fundao

 

 

Mais de um milhão de metros cúbicos de rejeitos de minério se deslocaram da Barragem de Fundão, nesta quarta-feira (27), segundo o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A mineradora Samarco – cujas donas são a Vale e a anglo-australiana BHP – não confirma o volume de material que se deslocou da barragem e disse que ainda está fazendo o levantamento.

 

A Samarco explicou o ocorrido como um deslocamento de “massa residual” . O episódio aconteceu na mesma barragem que se rompeu no dia 5 de novembro de 2015. O desastre, que completa quase três meses, deixou 17 mortos e dois desaparecidos.

Nesta quarta-feira (27), por segurança, 450 funcionários que trabalhavam em obras foram retirados às pressas do complexo de barragens. Segundo a empresa, a ocorrência aconteceu dentro da área das barragens, entre Fundão e Santarém, e não houve vazamento externo. O deslocamento de lama ocorreu, conforme a mineradora, por causa das chuvas dos últimos dias.

Uma equipe técnica do Ministério Público Estadual esteve ontem no local. “Não foi um pequeno movimento não. Houve um volume expressivo de material que se deslocou”, disse o promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto. Equipes da Defesa Civil Estadual, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros também foram a Mariana.

O governo de Minas, por meio de nota, comunicou que equipes da Defesa Civil estadual e da Polícia Militar também foram enviadas ao local. De acordo com o executivo, a ocorrência foi registrada por volta das 12h e foi emitido um alerta amarelo, que é voltado a segurança dos trabalhadores.

Representantes do Núcleo de Emergências Ambientais (NEA) da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) foram deslocados para o local para fazer uma avaliação ambiental da ocorrência.

Segundo a Samarco, as estruturas das barragens de Germano e Santarém permanecem estáveis com base no continuo monitoramento.

Na semana passada, o superintendente do Ibama disse que o material depositado na barragem de Fundão estaria atingindo o meio ambiente. “Dentro da barragem rompida de Fundão permanecem lá dentro 20 milhões de metros cúbicos. Eles estão numa área totalmente degradada, expostos à chuva e ao carreamento desses rejeitos. Então, está havendo um contínuo fornecimento de rejeito aos rios”, disse o superintendente Marcelo Belisário.

Sobre a informação do Ibama de que os rejeitos ainda estão indo para os cursos d’água, a mineradora informou que a construção de diques servirá para conter o carreamento de sedimentos durante o período de chuvas. As ações ainda preveem a reconstituição das margens e das calhas dos cursos d’água.