NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 2 de dezembro de 2020

 

Lógica dos níveis sofreu alteração; municípios poderão seguir diretrizes – Foto: Gil Leonardi / Imprensa MG

 

 

O governador Romeu Zema (Novo) anunciou, nesta quarta-feira, as bases da nova versão do Minas Consciente, programa que determina as normas para flexibilização das medidas restritivas adotada em virtude do novo coronavírus. Agora, a iniciativa terá três ondas — e não quatro. As fases são simbolizadas pelas cores vermelha, amarela e verde.

Ao explicar as mudanças no programa, Zema comparou o modelo a um sinal de trânsito. “A onda vermelha vai ser aplicada aos municípios e regiões com mais dificuldades. A amarela, aos que estão em condição intermediária. A verde, em locais cujas condições são mais seguras”, comentou, em transmissão ao vivo pelas redes sociais.

A onda branca, presente na primeira versão do programa, foi extinta. Na fase vermelha, estarão autorizados a funcionar apenas os serviços essenciais. O “leque” de atividades liberadas aumenta conforme as cidades avançam estágios.

A lógica das cores sofreu alteração. Antes, a onda verde dizia respeito às cidades onde apenas os serviços essenciais poderiam funcionar — caso de Ouro Preto, na região Central do estado, por exemplo. Agora, a onda verde será adotada pelas cidades em que a situação da COVID-19 é menos crítica.

O novo Minas Consciente entra em vigor no próximo dia 1. As academias de ginástica, por exemplo, vão compor o terceiro estágio do programa.

Segundo o chefe do Executivo estadual, a nova versão tem o objetivo de aprimorar o plano inicial. “Essa nova fase não quer dizer relaxamento. Quer dizer que temos continuar tomando todos os cuidados, mas que alguns critérios, por conta de nosso aprendizado, serão aprimorados”, pontuou.

 

 

Autonomia

Ainda segundo o governador, os municípios poderão escolher seguir as diretrizes adotadas pelas macro ou pelas microrregiões de saúde das quais fazem parte.

As cidades com menos de 30 mil habitantes terão, nas palavras de Zema, tratamento diferenciado.

“Um dos principais focos de transmissão é o transporte coletivo, porque ali há grande aglomeração de pessoas, que tocam nos corrimões e suportes. Isso facilita muito a propagação. Cidades pequenas, que são a grande maioria dos municípios de Minas Gerais, não têm suporte coletivo em sua maioria. Lá, as pessoas circulam a pé, de bicicleta ou de carro. As distâncias a serem percorridas são pequenas”, justificou.

 

“Simplicidade”

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, afirmou que técnicos da pasta estudaram, por cerca de um mês, os novos pilares do plano. Para ele, a versão apresentada pelo governo nesta quarta vai facilitar a adesão dos municípios e o entendimento da população.

“Agora que estamos em um platô e com tendência de queda futura, focamos, principalmente, nos protocolos. Não é simplesmente dizer as empresas que podem — ou não — abrir, mas sim como fazer. É dizer como empresas e cidadãos devem se comportar”, salientou.

O governo está otimista com os efeitos do Minas Consciente. “Esperamos que as pessoas, efetivamente, sigam os protocolos e que, com a adesão, tenhamos queda da transmissão sustentada. A medida que a queda for se configurando, podemos avançar no Minas Consciente, buscando o ‘novo normal’ de forma mais adequada para a sociedade”, acrescentou Amaral. Do Uai

 

 

Itaúna pode ter que aderir ao Minas Consciente, afirma Neider

 

Em vídeo publicado nas redes sociais, o Prefeito de Itaúna, Neider Moreira, comentou sobre os pedidos de reabertura de bares, restaurantes e clinicas de estética. Ele informou novamente que o retrocesso da flexibilização do funcionamento destes setores foi interrompida por causa de Ação Civil Pública do Ministério Público e disse que o município esta esperando a decisão a respeito desta ação.

Segundo o Prefeito, o Tribunal de Justiça mineiro acatou uma proposição do Ministério Público, que determina que apenas os municípios integrantes do Programa Minas Consciente poderão fazer flexibilizações no funcionamento do comércio, caso contrario teria de abrir apenas os serviços essenciais. ” O tribunal de Justiça caçou a autonomia dos municípios (…) Nós prefeitos estamos de mãos atadas”, afirmou.

O Governo de Minas afirmou que vai lançar um novo formato do programa na quarta-feira, 29, com novos protocolo. Neider disse que tudo vai depender desta mudança, podendo definir assim o que poderá ficar aberto em Itaúna, a depender da situação da microregião.