NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 18 de junho de 2021

menino ou menina

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Está nas mãos do Prefeito de Itaúna Osmando Pereira, o destino da educação que será oferecida no município de Itaúna nos próximos dez anos. De um lado, a tradição moral e dos bons costumes já habitual no seio da família tradicional, na sua mais completa definição, do outro, uma ideologia educacional que pretende extirpar do conceito educacional o mais tradicional conceito de educação sexual oferecida nas escolas de todos os tempos seja rede pública e privada hoje bastante discutida e chamada de IDEOLOGIA DE GÊNERO  onde se defende e se apregoa que (a criança nasce sem um sexo definido. Quando a criança nasce não deve ser considerada do sexo masculino ou sexo feminino; depois ela fará esta escolha. Essa é a chamada Identidade de gênero ou Ideologia de gênero.)

A ideologia de gênero a mais de um ano vem sendo discutida em âmbito nacional, quando da sua inclusão no PND (Plano Nacional de Educação)  e que foi fortemente rejeitado pelo Congresso e Senado Federal . Buscando fragilizar a decisão Federal e transferir esta responsabilidade para a população o MEC incluiu o conceito de Ideologia de Gênero dentro dos projetos municipais de educação o que levou o Plano Municipal Decenal de educação em Itaúna a também apresentá-lo para apreciação de vereadores. Pois bem,  a grande verdade constatada é que primeiramente grande parte não só dos vereadores itaunenses , mas como grande parte dos demais do país, estão ou votaram a favor do planejamento decenal da educação de suas respectivas cidades,  atendendo a determinações de seus respectivos executivos sem ao menos tentar tomar ciência de seu conteúdo ou mesmo das possibilidades sublimadas nas entre linhas de parágrafos como o apresentado no PMDE que trata da  “III – superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de discriminação; “ . Neste ponto e em alguns outros do Plano de Educação decenal é que se encontrar brecha para que o conceito básico de educação e formação sexual das crianças e filhos itaunenses seja alterado dada a conveniência de um grupo de filósofos e ideologistas que procuram de todas as formas mudar o que já é fato e imutável. Não são apenas grupos religiosos de todos os seguimentos que abominam esta ideia e conceito, mas a grande ou porque não dizer a totalidade do povo brasileiro, pais e mães que querem sim que sua filha saiba que ela é MENINA e que seu filho é um MENINO. Que ao precisarem ir ao banheiro, na escola, na rodoviária, no shopping, no cinema, na boate, possam entrar na porta escrito BANHEIRO FEMININO e aí encontrar pessoas de seu mesmo sexto e o mesmo para o BANHEIRO MASCULINO. Excluindo a demagogia de alguns que rotulam o protesto contra a ideologia de gênero homofobia, o que se propõe é sim a manutenção do respeito e aceitação daqueles que queiram fazer de sua sexualidade o que bem entender , ninguém deseja com esta discussão questionar a opção e escolha sexual de quem quer seja mas o que se defende e sobretudo se espera da educação de Itaúna é que nossos filhos sejam educados sexualmente dentro dos padrões sempre utilizados, o biológico, o da descoberta natural de sua condição de homem e mulher deixando para o futuro individual de cada ser, descobrir se quer ser de outro GÊNERO. O PMDE de Itaúna foi apresentado à câmara municipal de Itaúna e recebeu por parte do vereador Joel Marcio pedido de vistas, apresentando logo em seguida emenda supressiva retirando parte do texto original do projeto que em seu entender permite implantar a ideologia de gênero nas escolas do Município e acrescentou outra que diz: “O artigo 15º terá a seguinte redação:

         Fica proibido no âmbito das unidades da Rede Oficial e Rede particular a elaboração, produção, distribuição, e utilização de materiais de referências de cunho de orientação sexual, afetivo ou de gênero, ressaltando que o município nos próximos 10 (dez) anos não poderá tratar de assuntos relacionados a orientação sexual e a ideologia de gênero. Ressaltando que a matéria Educação Sexual continuará no currículo escolar da grade de ensino.

                Seus colegas Edis que nos corredores da Câmara afirmam também ser contra a aprovação da implantação da Ideologia do Gênero nas escolas da cidade votaram o projeto com as emendas do vereador Joel , que agora volta para as mãos do Prefeito Osmando Pereira. Fica agora sob responsabilidade do chefe do executivo municipal a responsabilidade e o ônus de , manter a educação tradicional e familiar de uma comunidade cujos pais e a grande maioria dos alunos preferem como em todo o país a manutenção do formato atual de ensino sexual, ou ceder as pressões do MEC que ameaça a cortar verbas caso o plano não seja aprovado. Vale destacar que o Ministério da Educação, não está condicionando a aprovação do projeto em sua integra ou com aceitação da possibilidade da implantação da ideologia de gênero na grade curricular das escolas municipais, ele é apenas um item que pode sim ser retirado por não aceitação da população. O que o MEC cobra é que o Plano Educacional seja votado dentro do prazo regulamentar dado aos municípios para tal, com ou sem alteração, prova disto foi sua não aceitação no PND. Agora é esperar o veredicto do senhor prefeito de Itaúna