NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 20 de abril de 2021

Em Itaúna, diversos postos já registram filas de motoristas tentando garantir o combustível –  Foto Redes Sociais

 

 

Menos de 24 horas após o anúncio da greve dos transportadores de combustível de Minas Gerais, diversos postos já registram filas de motoristas tentando garantir o combustível em Itaúna.

 

Na maioria dos postos ouvidos pela SANTANA FM, foi garantido o abastecimento de pelo menos até o final do dia.

 

No posto Avenida, na Jove Soares, foi informado que o combustível é suficiente até o fim desta sexta. Já no Posto São Paulo, na Avenida São João, há cerca de 8 mil litros de diesel e mais de 10 mil de gasolina. No posto da Rua 15 de Novembro tem 8 mil litros de gasolina, que provavelmente acaba hoje, segundo o proprietário. No Posto Santana já estava quase acabando por volta das 14h, de acordo com o informado para nossa reportagem.

 

Posto Santana do padre Eustáquio também esta quase acabando, só tem gasolina aditivada, conforme o estabelecimento.

 

PROCON faz denúncia sobre aumento no preço dos combustíveis em Itaúna

 

Posto na MG-431 região do terminal rodoviário em Itaúna 

 

 

Protesto em Minas 

 

O movimento foi deflagrado pelo Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (SindTanque). A categoria pede redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o preço do diesel de 15% para 12%.

 

Em Contagem, na Grande BH, falta etanol no posto localizado no hipermercado Carrefour, que fica no Km 3, na  Rodovia Fernão Dias, bairro Riacho das Pedras. Há grande fila no local. Ambos estabelecimentos estão sem previsão para reabastecimento.

 

Entenda a greve

 

O SindTaque estima que 3 mil condutores aderiram ao movimento. Os tanqueiros pedem que o estado reduza a alíquota do ICMS cobrada pelo estado de 15% para 12%, semelhante à taxa praticada em estado como Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo.

 

O governo de Minas argumenta que as recentes variações do combustível não são decorrentes do ICMS, mas da política de preços da Petrobrás.

 

Por enquanto, o Executivo também descartou baixar a tarifa alegando a crise financeira enfrentada pelo estado.

 

“No momento, em virtude da situação financeira do estado, a Lei de Responsabilidade Fiscal exige uma compensação para aumentar receita em qualquer movimento de renúncia fiscal, o que não torna possível a redução da alíquota. A Secretaria de Fazenda esclarece ainda que o ICMS corresponde a 31% para gasolina, 16% para o etanol e 15% para o diesel, do preço total dos combustíveis”, diz a nota.

 

Cerca de 50 caminhoneiros protestaram em frente à Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, Minas Gerais, na manhã desta sexta-feira (25), contra o alto preço dos combustíveis no país. De acordo com Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (SindTanque-MG), a estimativa é que haja 300 caminhões parados em todo o Estado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PROCON faz denúncia sobre aumento no preço dos combustíveis em Itaúna

 

Tanqueiros entram em greve; pode começar a faltar combustível