NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 13 de agosto de 2020

 

Agencia de banco danificada com explosivos

 

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a 7ª Região da Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Penal, realizaram nesta sexta-feira (31) a Operação “Cangaço”, em Divinópolis. De acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), operação teve o objetivo de combater uma organização criminosa especializada em roubos a bancos com explosivos e armas. Nove envolvidos foram identificados como moradores de Divinópolis. Cinco pessoas foram presas na cidade e um permanece foragido.

Os crimes teriam sido cometidos em pelo menos quatro municípios mineiros, entre eles São Gonçalo do Sapucaí (em 15 de janeiro), Elói Mendes (em 3 de abril), Campo Belo (em 5 de maio) e Pedralva (em 6 de maio).

A Operação “Cangaço” contou com a participação de dois promotores de Justiça, 50 policiais militares, 20 policiais civis, 16 policiais penais, com um total de 25 viaturas e uma aeronave.

 

Investigações e prisões

Segundo o MPMG, as investigações da unidade regional do Gaeco em Pouso Alegre duraram cerca de seis meses. Com o término dos trabalhos, foram expedidos nove mandados de prisão preventiva, e dez mandados de busca e apreensão.

A unidade regional do Gaeco em Divinópolis cumpriu seis mandados de prisão e dez mandados de busca e apreensão no município. Cinco pessoas foram presas e uma está foragida. As idades e gêneros dos envolvidos não foram divulgadas. Foram cumpridos também três mandados de prisão em outras duas cidades, sendo dois em Itaúna e um em São Francisco de Sá.

Além das prisões, foram apreendidos cheques, dinheiro, munições calibre 12, balaclava, luvas, entre outros.

Uma coletiva de imprensa com mais informações sobre a operação será realizada ainda nesta sexta-feira, na sede do Gaeco em Pouso Alegre.

 

Do G1