NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 1 de dezembro de 2020

Foto Reprodução Uai

 

 

Com a curva em crescimento dos casos de COVID-19 em Divinópolis, na região Centro-Oeste de Minas Gerais, a Vigilância Sanitária resolveu intensificar a fiscalização. Um dos principais alvos foi o Lago das Roseiras. O local, também conhecido como “barragem”, está interditado por força de decreto municipal. A região é um dos principais destinos locais nos finais de semana e feriados. A operação desencadeada pegou moradores de surpresa.

 

Entre sexta-feira (4) e segunda-feira (8) uma barreira foi instalada na entrada assegurando o cumprimento da norma e impedindo o acesso de banhistas e de qualquer outra pessoa que não comprovasse ter residência no local. A operação seguiu determinação da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) a partir do decreto municipal 13.783/2020 que impede banhistas na orla da barragem.

 

Embora a medida seja preventiva para conter o avanço do contágio do novo coronavírus, ela desagradou uma parcela dos proprietários de casas e sítios da região. “Cada um tem um ponto de vista, mas entendemos que pegaram um pouco pesado. A filha de um proprietário foi embora por que não pôde entrar. Um convidado meu, que veio do Rio de Janeiro, também não pôde ir até a minha casa, mesmo eu indo na portaria de entrada”, relata o morador e membro da comissão de frente da associação do Lago das Roseiras, Aguimar Santiago.

 

Para ele, as medidas estão excessivas. “Deve ser feito o controle, adotar restrições. As praias estão liberadas, Escarpas está liberada”, destaca. O acesso às casas dos moradores foi liberado, segundo Santiago, após as 16h, e os visitantes eram acompanhados pelos policiais.

 

 

Em nota, a diretoria da associação disse que a operação pegou alguns moradores de surpresa e que alguns protocolos deverão ser corrigidos para as próximas ações. “Pelo que fomos informados, a operação foi realizada por determinação da vigilância sanitária, dentro da normalidade, tendo em vista a atual situação da pandemia em nosso município. Houve alguns contratempos, tendo em vista o desconhecimento dos moradores e visitantes quanto a operação, mas nada que não possa ser corrigido nas próximas operações”, afirma.

 

Interditado

Apesar dos relatos de moradores, a assessoria de comunicação da prefeitura negou que haja impedido de acesso de moradores, familiares e convidados. Afirmou ainda que a passagem foi liberada, por exemplo, para quem alugou imóvel durante o feriado. O órgão também informou que a fiscalização ocorreu nos últimos dois finais de semana e que vai se repetir.

 

A Polícia Militar confirmou a operação e disse que ela foi idealizada e desencadeada pela prefeitura, com a presença dos agentes da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settrans) e fiscais da Vigilância Sanitária.

 

“A triagem de quem poderia ou não acessar o local foi realizada pelos agentes municipais, com base no Decreto Municipal nº 13.783/2020. Os policiais militares se fizeram presentes para garantir o exercício do poder de polícia dos agentes municipais”, informou.

 

Fiscalização

Outros dois bairros foram alvos de fiscalização ao longo do feriado prolongado. O balanço foi divulgado, nesta quarta-feira (9), pela Secretaria de Saúde. Ao todo, foram 52 inspeções com 20 infrações detectadas. Houve sete interdições de estabelecimentos comerciais e cinco notificações. Os bairros Esplanada e Niterói foram os principais alvos.

 

Aumento de casos

Ao longo do feriado prolongado, Divinópolis confirmou mais duas mortes por COVID-19. Entre 1º de agosto e 7 de setembro, o número de óbitos aumentou 100%, passando para 44. Os casos confirmados também não param de subir. Desde o início da pandemia já são 1.151. O último boletim registra 10.771 notificações suspeitas.

 

Embora haja aumento dos casos de COVID-19, a taxa de ocupação de leitos exclusivos para tratamento da doença continua na faixa de 36,5%. Das 84 vagas em unidade de terapia intensiva (UTI), 35 estão ocupadas. Outros 45 pacientes estão internados em enfermarias

Por Estado de Minas