Oposição protocola pedido de CPI do MEC no Senado

28/06/2022 | Brasil

 

Requerimento de criação da CPI do Ministério da Educação – Foto Pedro França/Agência Senado

 

 

Senadores da oposição protocolaram nesta terça-feira (28/6), na Secretaria Geral da Mesa de Senado, o requerimento da criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar supostas irregularidades do Ministério da Educação (MEC).

 

Autor do pedido, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou o documento acompanhado de deputados federais. Estavam com ele Sâmia Bomfim (PSOL-SP), Ivan Valente (PSOL-SP) e Luiza Eurdina (PSOL-SP).

 

Os senadores Jean Paul Prates (PT-RN) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) também estiveram no local.

 

Agora, a instalação da investigação depende do aval do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Anteriormente, ele havia dito que aceitaria uma CPI se ela cumprisse todos os requerimentos.

 

O argumento para a criação de uma CPI ganhou força após suspeitas de interferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas investigações contra o ex-ministro da pasta Milton Ribeiro, depois da prisão do ex-ministro.

 

Durante a semana, foram divulgadas gravações, feitas com autorização da Justiça e consideradas pelos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) como indícios de que o presidente Jair Bolsonaro interferiu na investigação da Polícia Federal (PF) sobre o ex-ministro da Educação.

 

A investigação consta no material enviado pelo MPF ao Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Conversa com a filha

 

Em uma das conversas, com uma filha, em 9 de julho, Ribeiro disse que recebeu uma ligação de Bolsonaro em que o chefe do Executivo nacional dizia temer ser atingido pela investigação da Polícia Federal (PF).

 

“A única coisa meio… hoje o presidente me ligou… ele tá com um pressentimento, novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe? É que eu tenho mandado versículos pra ele, né?”, disse Ribeiro para a filha. O trecho está em investigação da Polícia Federal.

 

“Ele quer que você pare de mandar mensagens?”, pergunta a filha.

 

“Não! Não é isso… ele acha que vão fazer uma busca e apreensão… em casa… sabe… é… é muito triste. Bom! Isso pode acontecer, né? Se houver indícios, né?”, questionou.

 

Ao encaminhar o processo de investigação de Milton Ribeiro ao STF, o juiz federal Renato Borelli cita três conversas em que o ex-ministro demonstra ter medo de operações da Polícia Federal nas investigações sobre a influência de pastores no Ministério da Educação (MEC). Clique aqui para ler a transcrição.

 

Prisão

 

Milton Ribeiro esteve como ministro da Educação no governo Bolsonaro entre julho de 2020 e março de 2022. Ele foi preso na última quarta-feira (22/6) pela Polícia Federal (PF) e solto no dia seguinte.

 

A prisão se deu por uma investigação que apura o envolvimento dele nos crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência e um suposto envolvimento em um esquema para liberação de verbas do Ministério da Educação.

 

Uma decisão dessa quinta-feira (23) do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), determinou a suspensão da prisão do ex-ministro.

 

Por Uai 

 

 

 

 

Veja também