NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 19 de junho de 2021

preso integrante ei

 

 

 

 

O Pentágono anunciou que um dos comandantes do Estado Islâmico (EI) foi morto em um ataque aéreo lançado no Norte do Iraque há uma semana.

O porta-voz do Departamento da Defesa americano, coronel Steve Warren, disse que o tunisiano Ali Awni al-Harzi morreu em Mossul em 15 de junho passado. Al-Harzi teria participado do ataque à embaixada dos Estados Unidos na Líbia em 2012.

“Sua morte degrada a capacidade do EI para recrutar jihadistas do norte da África na luta na Síria e no Iraque e elimina um jihadista com amplos vínculos e laços com o terrorismo internacional”, afirmou o Pentágono.

Os Departamentos do Tesouro e de Estado dos EUA descreveram o tunisiano como um terrorista que operava para ou em nome do EI.

Harzi era considerado “uma pessoa sob suspeita” de envolvimento no ataque à missão americana na cidade líbia de Benghazi (Leste) em 11 de setembro de 2012. Quatro pessoas, entre elas o embaixador dos EUA nesse país, John Christopher Stevens, morreram.

Em setembro, o Tesouro dos Estados Unidos descreveu Harzi como membro de “alto perfil” desse grupo jihadista que assumiu o controle de grandes faixas do território do Iraque e da Síria.

Ainda segundo o Tesouro, Harzi arrecadou recursos para o EI, além de contratar e facilitar a viagem de combatentes desde 2013.

Ele teria sido um dos primeiros a se unir ao grupo como combatente e era chamado de “emir” da região fronteiriça entre Síria e Turquia. Também ajudou a facilitar as viagens de europeus para a Síria, passando pela Turquia.

O Tesouro americano disse ainda que o jihadista teria planejado uma operação contra o comandante da missão da ONU no Líbano (Unifil, na sigla em inglês).