PF devolve arma a Milton Ribeiro, após funcionária de aeroporto ser atingida

26/04/2022 | Brasil

A funcionária foi atingida por estilhaços e atendida em um ambulatório do aeroporto -Foto Reprodução

 

A Polícia Federal devolveu o revólver do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, que disparou um tiro no Aeroporto de Brasília na tarde de segunda-feira (25), deixando uma funcionária da Gol ferida sem gravidade.

 

Em nota, os advogados do ex-ministro disseram que “prevaleceu o entendimento de que tudo não passou de um acidente provocado por um cuidado excessivo” de manter a arma guardada e não expô-la em público.

 

A defesa de Ribeiro classificou o caso como “um incidente passado” e afirmou que não houve feridos. No entanto, a Gol e a Inframerica, administradora do terminal, confirmaram o ferimento da atendente da companhia aérea.

 

A funcionária da Gol, que não teve a identidade revelada, foi atingida por estilhaços e atendida em um ambulatório do aeroporto. Segundo a empresa aérea, a mulher passa bem e não teve ferimentos graves.

 

Ex-ministro carregava arma na pasta de documentos

Milton Ribeiro foi levado à Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal após um revólver que estava em seu poder disparar no balcão da Latam, durante o check-in.

 

Em depoimento, ao qual o O TEMPO teve acesso, Ribeiro afirmou que, “como já havia feito o ‘despacho de arma de fogo’ pela internet se dirigiu diretamente ao balcão da companhia aérea Latam; que ao abrir sua pasta de documentos pegou a sua arma para separá-la do carregador, dentro da própria pasta, momento em que ocorreu o disparo acidental”.

 

A funcionária ferida, da Gol, estava trabalhando em um balcão próximo.

 

Ainda de acordo com o ex-ministro, o episódio aconteceu por volta das 17h, e que ele embarcaria em um voo com partida às 19h50 para São Paulo.

 

Ribeiro contou ainda que, como “havia outros objetos dentro da pasta, o local ficou pequeno para manusear sua arma”.

 

“O declarante, com medo de expor sua arma de fogo publicamente no balcão, tentou desmuniciá-la dentro da pasta, ocasião em que ocorreu o disparo acidental”, diz o documento da PF.

 

O ex-ministro também relatou à Polícia Federal que “a bala atravessou o coldre e sua pasta, se espalhando pelo chão”.

 

Segundo Ribeiro, a única pessoa por perto no momento do incidente era a atendente da Latam e que, após o disparo acidental, ele “próprio indagou as pessoas que foram ao local do incidente se alguém havia sido atingido pelos estilhaços” e que “não apareceu qualquer vítima”.

 

A PF ainda não informou se o revólver é registrado nem se o ex-ministro da Educação tem porte de arma. Tampouco disse que ele responderá por algum delito.

 

Arma tem que ser manuseada em local específico, segundo Anac

As regras da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) determinam que esse procedimento deve ocorrer em um local específico.

 

A Resolução nº 461 traz os procedimentos de despacho de armas de fogo e de munição. De acordo com o documento, “a realização do descarregamento das armas de fogo despachadas é de responsabilidade do passageiro e deve ocorrer previamente à chegada ao aeródromo ou no aeródromo, em local disponibilizado pelo operador de aeródromo”.

 

Ou seja, se o descarregamento ocorrer no aeroporto, a exigência é que o manuseio da arma de fogo ocorra exclusivamente no local destinado a essa prática.

 

A norma diz também que o passageiro deve apresentar as armas e munição para despacho embaladas adequadamente, em cases rígidos que possam ser lacrados ou em embalagens fornecidas pelo operador aéreo

Por O Tempo

Veja também