NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 9 de maio de 2021

Foto Reprodução Internet

 

A Polícia Civil do Rio de Janeiro cumpriu na última quinta-feira, 22/04, oito mandados de busca e apreensão contra suspeitos de fraudes em oferta de vacina contra a Covid-19. A empresa e seus representantes são investigados por venderem lotes de imunizante Oxford/AstraZeneca a prefeituras sem garantir a entrega do produto.

 

Segundo a Polícia Civil, a empresa oferecia cada dose por US$ 7,90 para municípios. No entanto, como as vacinas de AstraZeneca estão todas destinadas a consórcios internacionais e a governos de países, não há doses remanescentes para serem comercializadas com empresas ou mesmo com estados e municípios.

 

Entre os municípios que receberam oferta da empresa, sediada em Recife, estão Duque de Caxias e Barra do Piraí, no Rio, e Porto Velho. A capital rondoniense, por exemplo, já teria, segundo a Polícia Civil, feito o pagamento, mas ainda não recebeu as doses.

 

A operação está sendo feita em parceria com a Polícia Civil de Pernambuco e a Polícia Rodoviária Federal.

 

Durante a reunião do Comitê de Enfrentamento a Covid-19, na tarde de quinta, 22/04, o prefeito de Pará de Minas, Elias Diniz (PSD) citou o caso e falou sobre a aquisição de doses que o Município negociava com um grupo particular.

 

Porém, após investigações, a Polícia Federal conseguiu provar que se tratava de uma quadrilha e com isso, a Prefeitura não assinou contrato nem repassou qualquer valor ao grupo, mas documentos foram enviados.

 

Elias informou que a Prefeitura fará um boletim de ocorrência junto à Polícia Civil para se resguardar de problemas futuros. De acordo com sua assessoria de comunicação, o prefeito dará uma entrevista coletiva sobre o caso nesta sexta-feira, 23/04.

 

 

Por JC