NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 26 de fevereiro de 2021

 

Zema acompanhou as primeiras vacinações no interior do Estado –  Foto: Instagram de Romeu Zema

 

 

A chegada das primeiras doses de uma vacina contra a Covid-19 em Minas Gerais, nessa segunda-feira (18), acendeu a esperança do combate à pandemia, dez meses após o início da crise sanitária no Estado. A imunização dos mineiros, entretanto, não tem data para ser concluída, e pode demorar até um ano, conforme o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), declarou em reunião com gestores de municípios mineiros na tarde desta terça-feira (19).

“Será um processo longo, talvez mais do que ao que assistimos do início da pandemia até este momento. Dependendo da disponibilidade de vacinas, esse processo pode levar nove, dez, 11, 12 meses, não sabemos o quanto. Países peso pesado têm conseguido, de certa maneira, dominar o suprimento (de vacinas) em detrimento de outros. O Brasil está no meio do caminho e não ficou totalmente desabastecido, mas gostaria de ter uma quantidade maior”, disse.

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, reforçou que a vacinação demorará a chegar a toda população. “(A campanha) com certeza será longa e demorará vários meses. O gargalo que temos é a produção pelas empresas para chegada das vacinas no país”, destacou.

Por ora, o Brasil conta apenas com as 6 milhões de doses da Coronavac importadas da China pelo Instituto Butantan. Nesta semana, a instituição, sediada em São Paulo, pediu autorização à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para distribuir emergencialmente outras 4,8 milhões de doses, envasadas no Brasil. O governo federal promete 2 milhões de doses da vacina da empresa AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, produzidas na Índia, porém a chegada dessas unidades não tem data oficial para acontecer.

 

Municípios mineiros menores podem demorar até sexta a receber as vacinas

As 28 regionais de saúde de Minas já estão recebendo as doses da vacina nesta terça-feira, segundo Janaina Souza, diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis do Estado. Até as 14h30, cerca de 81% das caixas do imunizante haviam sido entregues, de acordo com ela.

Os menores municípios mineiros, porém, podem esperar até quinta (21) ou sexta-feira (22) até terem a vacina, pois o recolhimento delas pelas prefeituras nas centrais das regionais de saúde demandam acompanhamento de forças de segurança.

“Municípios pequenos, que vão receber poucas doses, não vão tirar o único quantitativo policial da cidade para buscar a vacina. Eles terão de fazer um comboio, talvez, com outros municípios próximos para irem juntos”, explicou Souza.

Ela detalhou, ainda, que, nesta semana, as regionais liberarão apenas as unidades da vacina correspondentes à primeira aplicação, e as referentes à segunda dose serão liberadas duas semanas depois.

Por O Tempo