NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 27 de novembro de 2020

Foto Reprodução Internet

 

A liminar que permitia a abertura de bares e restaurantes em Belo Horizonte foi derrubada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) nesta quarta-feira (22). A decisão foi tomada após a prefeitura recorrer da decisão em primeira instância, alegando que era necessário manter o comércio fechado para conter o avanço do novo coronavírus. O número de mortes por Covid-19 dobrou, na capital mineira, em apenas duas semanas, chegando a 378.

O próprio presidente do TJMG, desembargador Gilson Soares Lemes, assinou a decisão em segunda instância, atendendendo ao pedido da administração municipal. A liminar assinada pelo desembargador Wagner Batista Ferreira, concedida em mandado de segurança coletivo, atendeu a um pedido da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Minas Gerais e permitia a abertura dos estabelecimentos representados pela entidade, mas com restrições de segurança.

Para o presidente do TJMG, “a decisão não atende plenamente os interesses da Abrasel, conforme por ela mesmo declarado, e também não se mostra adequada para o momento, tendo em vista o avanço da pandemia no município.”

O isolamento social em Belo Horizonte, que teve diferentes fasess desde o dia 20 de março, divide empresários e população. Enquanto parte dos moradores aprova o fechamento do comércio não essencial para conter o avanço do novo coronavírus, outros defendem a retomada dos trabalhos, para eviar falências. Nesta quarta-feira, a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL/BH) e a Abrasel promoveram uma manifestação na Praça da Liberdade pela reabertura.

A Abrasel não questionou a decisão do desembargador. “A Abrasel recebeu com tranquilidade a decisão do Tribunal de Justiça, de derrubar a liminar que permitia a abertura de bares e restaurantes, até porque nunca recomendamos que ela se desse de maneira imediata, porque acreditamos que tem que ser em torno de um plano de ação para retomada de todo o comércio”, afirmou Paulo Solmucci, presidente da associação.

Ele afirmou ainda que o presidente do TJMG se disponibilizou para intermediar uma negociação entre Abrasel e prefeito Alexandre Kalil, e a entidade aceitou prontamente participar da conversa.

Saúde pública

De acordo com o texto da decisão do desembargador, a advocacia-geral do município alegou que a liminar “rompe com a estratégia adotada pelo Município no combate ao Coronavírus, permitindo a reabertura simultânea de 20.682 estabelecimentos, de forma absolutamente descoordenada com os esforços adotados pelo Município, colocando em risco a saúde de milhares de pessoas”.

 

Por Hoje Em Dia