NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 1 de dezembro de 2020

Foto  Mandelics/Divulgação

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais vai começar a recomendar a coleta de saliva para diagnóstico de Covid-19. Um dos objetivos é ampliar a testagem no estado. A informação está na última edição especial do Boletim Epidemiológico e Assistencial.

Segundo o documento, uma pesquisa analisou, entre abril e junho, 660 amostras. Cada pessoa que participou do teste teve coleta feita tanto por saliva, como por swab. As amostras foram analisadas pelo RT-PCR, que é o método de diagnóstico considerado o “padrão ouro”. O resultado de concordância foi avaliado através de uma metodologia conhecida por Kappa.

Um total de 627 coletas tiveram resultados concordantes nos dois métodos, “indicando que as amostras de saliva podem ser usadas como material biológico para diagnóstico molecular da Covid-19”, diz o documento.

A nova técnica permitiria, segundo a Secretária de Estado de Saúde, ampliar a testagem, independente da necessidade do swab, que é a haste flexível estéril utilizada para coleta de amostras no nariz e na garganta.

O mesmo documento traz o resultado do trabalho de validação dos testes rápidos disponíveis no mercado. O trabalho concluiu que este método não é indicado para diagnóstico individual, porque apresenta maior sensibilidade a partir do 14º dia de sintomas. Mesmo assim, a maior parte dos casos confirmados continuam sendo provenientes de testes rápidos.Segundo o boletim, dos 147.323 casos confirmados no dia 7, 88.190 eram provenientes de testes rápidos, ou seja, 59,8%.