NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 2 de dezembro de 2020

Foto: Portal das Gerais

 

Dos 94 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para pacientes com quadro clínico compatível com Covid-19, 10 foram transferidos para tratamento de outros agravamentos, em Divinópolis. A mudança consta no boletim, desta segunda-feira (27), da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) e foi realizada no Complexo de Saúde São João Deus. Dos 40 disponíveis no hospital, apenas 10 serão para tratamento da doença e os demais para causas diversas. A medida foi repactuada com o Estado.

 

A cidade conta com 153 leitos de UTI. Deste total, 75 são do Sistema Único de Saúde (SUS) e direcionados para toda a macrorregião Oeste, o restante é referente a saúde suplementar. Dos exclusivos para o novo coronavírus, 45 são para a saúde pública e 39 para particular, planos, convênios.

 

Os 10 leitos transferidos para atendimento a outras doenças são exclusivos para pacientes do SUS. Antes, eram 55 para tratamento ao novo coronavírus. Em compensação, para “não Covid” eram 20 e agora são 30. A mudança, segundo o secretário de saúde, Amarildo de Sousa está previsto no plano de contingência do estado e município.

 

“O nosso plano não é engessado, ele é dinâmico. Como, neste momento, tem necessidade de atender a outros tipos de agravamento, achamos por bem fazer essa mudança”, disse a reportagem.

 

O secretário disse que a alteração não compromete o atendimento.

 

“A análise para efeito da matriz de risco é feita na totalidade, considerando Covid e não Covid”, explica.

 

Dos 75 leitos atuais de UTI do SUS, 28 estão ocupados, sendo 14 pacientes com quadro clínico compatível com o novo coronavírus e o restante em tratamentos diversos. Já na saúde suplementar há 13 com suspeita de Covid e 33 pessoas com outros agravamentos.

 

Flexibilização

 

A mudança também está ligada à flexibilização das normas sanitárias.

 

“Com a flexibilização aumenta o risco de acidente e precisamos de leitos para dar suporte nesta área”, exemplifica.

 

Sobrecarga

 

Na semana passada, o superintendente da macrorregião Oeste, Allan Rodrigo já demonstrava preocupação com o crescimento de demanda por leitos não Covid-19. Em uma entrevista concedida ao jornal Estado de Minas, ele disse que a regional possuiu o plano para dar resposta assistencial aos municípios compatível com a demanda, desde que não ocorra essa sobrecarga.

 

Por: Portal Centro das Gerais