‘Se essas crianças estivessem vacinadas, não morreriam’

4/02/2022 | Minas Gerais

 

Oito crianças já perderam a vida para a doença em 2022 –  Foto Cristiano Machado/Divulgação

 

 

O secretário estadual de Saúde, Fábio Baccheretti, disse que o aumento de mortes de crianças por complicações da Covid-19 no Estado é preocupante. Até esta sexta-feira (4), Minas contabilizou 40 mortes do público infantil da faixa etária entre 1 a 9 anos. Só nos primeiros 35 dias de 2022, oito crianças perderam a vida para a doença – quatro delas no Hospital Infantil João Paulo II.

 

Em entrevista à rádio Itatiaia nesta sexta, Baccheretti afirmou que o cenário preocupa pois o hospital é referência no tratamento pediátrico e de doenças respiratórias no Estado. “É para lá que vão as crianças mais graves com a doença, por isso ocorreram esses quatro óbitos esse ano. Em dezembro, não houve nenhum óbito relacionado à Covid, então é um aumento muito importante”, alerta o secretário.

 

Atualmente, não há vagas na enfermaria e 69% dos leitos de UTI estão ocupados no João Paulo II, segundo a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). Desde o início da pandemia, em março de 2020, 46 bebês menores de 1 ano já perderam a vida para a doença.

 

O secretário também alertou que, apesar da doença ser menos letal em crianças, a maior arma para evitar as mortes é a vacina. “Certamente, se essas crianças estivessem vacinadas, não morreriam, as chances são muito menores”, ressaltou.

 

O gestor ainda deixou um recado para os pais que não levaram os filhos pequenos para receberem as doses e que são contrários às vacinas: “O que temos que fazer aqui é esclarecer. Esqueçam as fake news. A vacina é eficaz e é a segurança para a gente sair dessa pandemia”

 

 

 

Veja também