Tragédia já é o maior desastre do século no Grande Recife

30/05/2022 | Brasil

 

Com 91 mortos, Grande Recife  já vive o maior desastre do século XXIFoto Diego Nigro/ AFP

 

 

O Grande Recife revive, neste maio de 2022, uma dor semelhante aquela que só povoava o coração de alguns moradores mais antigos e o imaginário dos mais jovens. Com 91 mortos, em decorrência da ausência de estrutura da região metropolitana para receber grandes volumes de chuva, já vivemos o maior desastre do século XXI. E mais: a triste expectativa é a de que o número de vítimas supere o registrado na histórica grande cheia de 1975.

 

Nas ruas – especialmente, nos bairros mais pobres – o cenário é desolador. Desde a madrugada de sábado (28), moradores e socorristas tentam incansavelmente localizar as vítimas soterradas. Até o final da manhã desta segunda-feira (30), três dias após as chuvas torrenciais, 26 pessoas ainda eram procuradas. Todas embaixo da lama dos bairros onde moravam.

 

Pela experiência de casos semelhantes, especialistas afirmam que é muito pouco provável encontrar vítimas vivas embaixo dos escombros, neste momento. Por essa razão, somando os 91 mortos, já oficialmente registrados, com os corpos que devem ser encontrados nas próximas horas ou dias, o número total de óbitos deve superar os 107 contabilizados na cheia de 1975.

 

Tragédia

 

Nesta temporada de chuvas, o Grande Recife enfrenta problemas desde quarta-feira (25). Naquele dia, choveu muito e cinco pessoas morreram em decorrência dos transtornos no temporal.

 

Após uma curta trégua, na noite de sexta-feira (27), a chuva voltou muito forte. Choveu bastante por horas à fio. Na manhã do sábado (28), as cidades da Região Metropolitana estavam intransitáveis, com dezenas de ruas alagadas.

 

Por Rádio Jornal 

 

 

 

Veja também