Três meses depois, acidente com Marília Mendonça ainda é investigado

7/02/2022 | Minas Gerais

 

Cenipa diz que a conclusão das investigações terá o menor prazo possível – Foto reprodução

 

 

O acidente aéreo que vitimou a cantora Marília Mendonça e mais quatro pessoas em novembro do ano passado completou três meses no último sábado 05/2. Desde então, as autoridades investigam o que fez com que a aeronave de matrícula PT-ONJ caísse e como evitar acidentes semelhantes ao que ocorreu em Caratinga.

 

O relatório preliminar disponibilizado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) diz que as investigações estão em andamento e que a aeronave, durante fase de aproximação para o pouso, colidiu contra uma linha de distribuição de energia da Cemig. Entretanto, o próprio relatório ressalta que as análises das informações coletadas e os fatores contribuintes estão sujeitas a modificações conforme o andamento dos trabalhos de investigação.

 

Um cabo chegou a ser encontrado em uma das hélices do avião. Desde o acidente, a aeronave não está liberada em relação à apuração dos fatos.

 

que o objetivo das investigações realizadas pelo órgão é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. “A conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade de cada ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes”, pontuou.

 

A Polícia Civil também foi procurada pela reportagem, mas não respondeu. Em dezembro, os policiais que atuam no caso deram uma entrevista coletiva em que apontaram duas principais linhas de investigação. A principal linha é a da colisão com a linha de transmissão. Outra vertente avaliada pela polícia é um possível problema técnico do avião, que poderia motivar a perda de altura repentina.

 

Durante as investigações, a Polícia Civil constatou que o avião estava a um minuto do pouso no aeroporto de Ubaporanga, em Caratinga.

 

Por O Tempo

 

 

Veja também