NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 1 de dezembro de 2020

Foto Dado Ruvic/Illustration/Reuters

 

A farmacêutica norte-americana Moderna anunciou nesta segunda-feira (16) que a mRNA-1273, candidata da empresa a vacina para combater a Covid-19, é 94,5% eficaz na prevenção contra o novo coronavírus.

A análise provisória, que faz parte da fase 3 dos estudos, incluiu 95 pessoas de um total de 30 mil participantes que receberam placebo ou a vacina. O teste foi administrado em duas aplicações com 28 dias de intervalo. Os dados ainda não foram publicados em nenhuma revista científica.

Com base nos resultados, a companhia pretende pedir ao Food and Drug Administration (FDA), agência do Departamento de Saúde dos Estados Unidos, uma autorização de uso emergencial da vacina nas próximas semanas. A Moderna também planeja enviar os pedidos para agências regulatórias globais.

Outros imunizantes

Na última semana, a farmacêutica Pfizer anunciou que a vacina experimental se mostrou 90% eficaz na prevenção ao novo coronavírus. Segundo o presidente da companhia no Brasil, Carlos Murillo, 50 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 estarão disponíveis já neste ano, e o total para o ano que vem chega a 1,3 bilhão de doses para todo o mundo.

O imunizante está em testes clínicos no Brasil desde julho e também precisará de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Assim como a autoridade regulatória europeia, a Anvisa adotou um modelo de submissão contínua, em que os documentos exigidos para o registro começam a ser avaliados em etapas, antes da conclusão dos experimentos.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por sua vez, trabalha em projetos próprios de imunizantes que podem chegar a testes em humanos em 2021 enquanto se prepara para produzir a vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. Caso esses experimentos tenham resultados positivos ao longo do ano que vem, a expectativa é que uma delas esteja disponível em 2022.

Hoje em Dia