NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 20 de junho de 2021

Além de Itaúna outras cidades da região Centro-Oeste de Minas já emitiram notas e comunicados suspendendo a imunização  – Foto Adilson Nogueira

 

 

Após a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendar, na noite de segunda-feira (10), a suspensão imediata da aplicação da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz em grávidas, a Prefeitura de Itaúna informou que a vacinação das gestantes está suspensa na cidade após as recomendações, até que o Ministério da Saúde faça um comunicado oficial sobre o assunto.

A imunização deste público ainda não tinha data marcada para ser iniciada no município. Os demais grupos seguem sendo imunizados normalmente.

 

Além de Itaúna outras cidades da região Centro-Oeste de Minas já emitiram notas e comunicados suspendendo a imunização para este público-alvo. Foi informado ainda que para os outros públicos, a vacinação segue mantida.

 

A imunização para os demais grupos prioritários (pessoas com mais de 18 anos que tenham Síndrome de Down, transplantados e pacientes em terapia renal substitutiva – diálise) continua normalmente.

 

Divinópolis

 

Em Divinópolis, a vacinação de gestantes com comorbidades começou nesta segunda-feira (10), segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura. Não foi informado o número de gestantes imunizadas na cidade.

 

Ainda de acordo com o município, não há doses do imunizante Coronavac para atender as gestantes, portanto, a vacinação do grupo segue suspensa até o recebimento de novas remessas.

 

Pará de Minas

 

A Secretaria de Saúde cancelou a imunização das gestantes, que estava programada para quarta-feira (12), e reforçou que os outros públicos seguem sendo vacinados nos postos de saúde.

 

“Ainda não recebemos nenhuma orientação para que possamos ter um parâmetro de quando vamos tomar outras providências em relação a este público. O fato é que diante dessa orientação, o Município já suspendeu a vacinação porque todas as vacinas que nós recebemos para esse público são vacinas da AstraZeneca. Esperamos que chegue um novo lote de CoronaVac para que a gente comece o esquema vacinal das gestantes”, ressaltou o secretário da pasta, Wagner Magesty.

 

Doses da vacina do tipo AstraZeneca/Oxford estão suspensas para aplicação em grávidas, segundo recomendação da Anvisa – Foto: Divulgação

 

Minas Gerais

 

Sobre a recomendação da Anvisa para suspender a AstraZeneca em grávidas, em nota a a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informou que recomendou a suspensão imediata da vacinação de gestantes com vacina contra a Covid-19 do laboratório AstraZeneca/Fiocruz em Minas Gerais. A decisão é baseada na recomendação de suspensão do uso da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz em gestantes pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta segunda-feira (10).

 

“Os 853 municípios estão sendo oficialmente comunicados na tarde desta terça-feira (11/5). A SES-MG informa que não foram informados registros de eventos adversos com grávidas imunizadas com doses da vacina AstraZeneca no estado”.

 

Recomendação da Anvisa

 

A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou na noite desta segunda-feira (10), a suspensão imediata da aplicação da vacina contra Covid da AstraZeneca/Fiocruz em grávidas.

 

Segundo a Anvisa, a vacina vinha sendo usada em gestantes com comorbidades. Agora, só podem ser aplicadas nas grávidas os imunizantes Coronavac e Biontech (Pfizer).

 

O texto da nota emitida pela agência reguladora diz que a orientação é que “seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) a indicação da bula da vacina AstraZeneca e que a orientação é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas Covid em uso no país”.

 

“A medida veio após uma suspeita de evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico ocorrido e que resultou em óbito fetal e da gestante. Até a tarde desta terça-feira (11/5), não havia outros eventos adversos graves envolvendo gestantes que tenham sido notificados para a Anvisa.

 

O Comunicado traz orientações às gestantes e aos profissionais de saúde que devem avaliar o caso de cada paciente.

 

A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina da AstraZeneca seja seguida pelo Ministério da Saúde.

 

O uso off label de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina por gestantes sem orientação médica”, disse a Anvisa em nota atualizada na tarde desta terça.

 

A vacina AstraZeneca permite um distanciamento maior entre a primeira e a segunda injeção: três meses. Clique aqui e entenda qual a proteção da 1ª dose e qual o motivo do intervalo de três meses para a 2ª.

 

O que diz a AstraZeneca?

 

Em nota, a AstraZeneca afirmou que “mulheres que estavam grávidas ou amamentando foram excluídas dos estudos clínicos” da vacina. Veja íntegra:

 

“Referente a suspensão do uso da vacina AstraZeneca/Fiocruz por parte da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a AstraZeneca esclarece que as mulheres que estavam grávidas ou amamentando foram excluídas dos estudos clínicos. Esta é uma precaução usual em ensaios clínicos. Os estudos em animais não indicam efeitos prejudiciais diretos ou indiretos no que diz respeito à gravidez ou ao desenvolvimento fetal”.

 

Com o G1

 

 

Minas não registra complicações em grávidas, mas suspende vacinação