NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 19 de abril de 2021

PF indica que perfurações feitas pela Vale na barragem de Brumadinho foram determinantes para rompimento – Foto Alex de Jesus

 

 

O rompimento da barragem B1 da Mina de córrego de Feijão, em Brumadinho, no dia 25 de janeiro de 2019, foi causado por um excesso de pressão em um ponto frágil de estabilidade da barragem. Essa pressão foi aumentada por conta de perfurações executadas pela mineradora Vale, com o uso de uma perfuratriz com injeção de água, o que não poderia ocorrer sem a análise de estudos prévios. Essa foi a conclusão do laudo pericial apresentado nesta sexta-feira (26) pela Polícia Federal.

 

De acordo com a investigação, as perfurações executadas pela mineradora foram iniciadas no local crítico cinco dias antes da estrutura se romper. Esse também foi o gatilho para a ocorrência do processo de liquefação da barragem que, nada mais é que a transformação do material sólido em material líquido, aumentando a instabilidade da estrutura.

 

O laudo aponta que o fenômeno gerou a ruptura da estrutura no alteamento de número oito, em um ponto a 68 metros de profundidade da barragem. Essa ruptura se espalhou por toda a estrutura e ocasionou o rompimento total.

 

“O motivo foi a perfuração de uma sonda mista que chegou em uma sessão da barragem que estava muito sensível ao processo de liquefação. A liquefação funciona como ondas de água que se propaga para a próxima sessão da barragem, causando um efeito dominó que é muito rápido. O colapsamento da barragem durou 30 segundos, desde a primeira sessão que começou a se liquefazer”, explicou o delegado da Polícia Federal , Luiz Augusto Pessoa Nogueira.

 

Perfuração

 

As investigações apontaram que a Vale tinha o objetivo de, com as perfurações, fazer a identificação dos materiais que compunham o rejeito de minério nas diversas sessões da barragem, do topo até o fundo. O segundo objetivo, era de instalar mais piezômetros, que são aparelhos de monitoramento de estabilidade na estrutura.

 

Segundo a Polícia Federal, em outubro de 2018, a mineradora contratou uma empresa terceirizada para identificar os pontos frágeis da barragem B1. O método utilizado foi a perfuração simples, sem o uso de grande estruturas.

 

“O estudo identificou quais seriam os pontos mais sensíveis a um processo de liquefação da barragem. A barragem tem cerca de 80 metros de altura e uma lança simples atravessou a estrutura identificando em todas as sessões da barragem, aquelas que apresentavam um sensibilidade maior. Na segunda etapa a vale faria perfurações para fazer um apanhado de quais materiais eram formadas cada sessão e instalar os piezômetros”, pontuou o delegado.

 

O estudo realizado na primeira etapa, no entanto, não teria sido analisado previamente para orientar o trabalho das grandes perfurações na barragem. A investigação apontou que a mineradora iniciou os trabalhos de perfuração antes de uma segunda empresa terceirizada analisar o dados.

 

“O que a gente entende é que a Vale teria que ter processado as informações da primeira etapa desse processo, para aí verificar qual seria a melhor técnica a ser utilizada para fazer a análise dos materiais de todas as sessões. A Vale recebeu, mas não processou as informações”, explicou o delegado.

 

Aumento da pressão

 

O laudo pericial revelou que a pressão no ponto crítico da barragem foi aumentado em duas vezes durante as perfurações. O documento explica que esse aumento se deu por conta da pressão do fluído utilizado na perfuratriz para resfriar o equipamento durante os trabalho. No dia do rompimento, uma perfuratriz trabalhava no alteamento de número oito da barragem.

 

A Polícia Federal informou que serão feitas novas diligências até a conclusão do inquérito que devem contar, inclusive com depoimentos dos envolvidos. Em nota encaminhada à reportagem no início da tarde, a mineradora Vale declarou que avaliará o documento e se manifestará apenas nos autos.

“A Vale informa que tomou conhecimento nesta sexta-feira (26) da expedição do laudo da perícia técnica da Polícia Federal sobre as possíveis causas do rompimento da Barragem I, da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). A empresa avaliará o inteiro teor do laudo e oportunamente se manifestará nos autos por intermédio de seu advogado David Rechulski”, disse.

 

Por O Tempo