NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 24 de junho de 2021

Apesar das melhoras nos índices, o chefe do poder Executivo mineiro teme novo aumento – Foto reprodução

 

 

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), crê que as restrições impostas pela onda roxa ajudaram a aliviar a situação da pandemia de COVID-19 no estado. Apesar das melhoras nos índices, o chefe do poder Executivo mineiro teme novo aumento de casos e mortes em virtude da infecção. Em entrevista à “CNN Brasil”, nesta segunda-feira (10/5), Zema disse que só a imunização pode frear a disseminação da doença.

 

“Estou pessoalmente confiante de que, com o avanço do processo de vacinação, venhamos a ter a situação sob controle. Mas nada garante que uma terceira onda, inclusive pior do que a segunda, venha. O vírus está solto, sofrendo mutações, e pode surgir uma variante mais letal e mais contagiosa”, falou.

 

Em abril, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou estudo que apontava a existência de mais de 90 cepas do coronavírus no Brasil. A variante surgida no Amazonas é uma delas.

 

Para o governador, o endurecimento das restrições em todo o estado ajudou a conter o número de casos, mortes e internações. Segundo Zema, Minas Gerais é o estado das regiões Sul e Sudeste com menor índice de vítimas.

 

“Se o Brasil tivesse uma taxa de óbitos semelhante à de Minas Gerais, mais de 60 mil vidas teriam sido poupadas”, lamentou.

 

Minas Gerais tem média móvel de 249 óbitos por dia. Nesta segunda, o número de pessoas que perderam a vida para a doença chegou a 36.062. São 1.416.845 diagnósticos positivos.

 

‘O brasileiro se iludiu’

 

Na visão de Zema, o aumento recente dos índices de COVID-19 se deve a certo “relaxamento” da população nacional nos últimos meses do ano passado.

 

“O brasileiro, em novembro e dezembro, se iludiu, achando que a pandemia era algo do passado. Acabamos observando que ela voltou muito mais forte e muito mais letal. Não vamos baixar a guarda”, sustentou.

 

Por Uai